Quando não se é bem-vindo fica-se muito bem na rua em Belém

Sonhei com desenhos das lâmpadas em exposição no antigo Museu da Electricidade durante três ou quatro semanas e em desenhar o primeiro carro eléctrico em Portugal.

Mas isso não aconteceu, porque quando uma pessoa não se sente bem-vinda não deve ter problemas em “dar de frosques”. Ai não me deixam entrar com o banquinho dos rabiscos? Então, adeus!

Sobraram os pensamentos positivos, os riscos sorridentes e tagarelas. Não digam a ninguém, mas a falta dos cabos na Ponte 25 de Abril não foi obviamente de propósito ;-)


A passagem sucessiva de barcos à vela mesmo à nossa frente foi mote para desenho cego e de linha contínua. Um exercício muito livre, sempre com resultados agradavelmente surpreendentes.

E assim foi no último encontro dos FotoSketchers 2 Linhas no agora MAAT, que já foi o antigo Museu da Electricidade. Tiram-lhe o nome, adicionaram 5 euros à antiga exposição permanente (antigamente gratuita), na qual já não podemos entrar com a nossa mochila, nem de banquinho de rabiscos. Com tanta “fofura”, fiquei cá fora e muito melhor, porque me constou que lá dentro estava abafado. A EDP deve ter dificuldades em pagar a conta da electricidade, por isso nada de colocar ar condicionado. Deve ser para que os visitantes não fiquem lá dentro muito tempo no Verão…

Só me apetece dizer cenas que podem mesmo ser disparates e má língua, mas não consigo esperar coisas muito boas de um museu que se fez inaugurar e reinaugurar várias vezes… Se fizesse com que os visitantes se sentissem abraçados e bem-vindos, não precisariam de reinaugurações.

Nem sequer nos levantámos para ir ver a cara do edifício novo que parece a boca de tubarão… Não nos fez falta nenhuma.

Pronto, pronto, já passou… Mas não me apanham por aquelas bandas enquanto me lembrar disto que aconteceu.

No Museu do Ar a pairar…

Clicar nas imagens para ver maior

Tenho a impressão que a última vez que me senti emocionada assim, ao entrar num Museu, foi no Aquário Vasco da Gama, em 2016, onde não entrava há muitos anos. Emocionei-me … O Museu do Ar, no seu polo de Sintra, é um lugar cheio de ar em redor, no meio do campo. Adorei o logótipo no edifício. Depois dos modelinhos minúsculos, o que se vê é a Máquina Voadora de Da Vinci, os primeiros aviões – Lindos! – e um tecto alto cheio de ar.

Réplica de Máquina Voadora de Da Vinci . Museu do Ar

Talvez me tenha deixado arrebatar assim, porque na véspera da visita tive uma neura terrível (só explicável pelo teor de algumas conversas e de me ter deixado mergulhar numa crise pré-final das férias…). Enfim, que desperdício… ou que faz parte.

Instalação – Voo de João Torto, 1540

João Torto, enfermeiro, fez a primeira tentativa documentada para… voar da Sé de Viseu abaixo… Foi em 1540. Se calhar atirou-se com ajuda de “cenas” delirantes da sua “farmácia” ambulante. Aterrou de pé num telhado qualquer e de seguida fez o seu último voo direitinho para o Céu…

Réplica de 14 bis . Santos Dumont, 1906

Ainda estava nos feitos de Santos Dumont e fiquei sem bateria no telemóvel à terceira foto… Pânico! … Hummm… Após aquela reacção “sem pés-nem-cabeça” do tipo “que horror, estou despida!”, decidi que… “bem, afinal vim para DESENHAR!” =)

Passeei por ali adentro, ao lado e por baixo daqueles enormes e maravilhosos aviões e helicópteros. Passado poucos minutos dei com um grupo de turistas Brasileiros adultos =) a brincar de braços abertos a esvoaçar junto ao belo helicóptero de busca e salvamento, que actuou nos Açores em 1950-62. Entrei dentro de aviões (ou parte deles) até ao cockpit. Entretanto, parecia que estava num filme ao ouvir duas passagens de um avião real a voar: zzzzzzzzuuuuuuuuuuuuummm
zzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZZuuuuuuuuuuuuummmMMMMMMmmmm
O som parecia ser de um daqueles aviões com hélice à frente. Pelo menos foi o que o imaginei. Até o chão estremeceu.

Deixei-me invadir pela nostalgia nas exposições da TAP e da ANA, por causa de um workshop de rabiscos que organizei há uns anos no Museu do Design e da Moda, exactamente sobre os mesmos temas muito estéticos.
O primeiro simulador de voo Português parece um brinquedo para miúdos pequenos. Muito fofo!

No último hangar, dois aspectos chamaram o meu prolongado olhar:
– Pendurados estão muitos modelos a pairar! Senti-me verdadeiramente puxada a levantar voo para o tecto!
– Na entrada, está o avião do Comandante António Faria e Mello que se deslocava em cadeira de rodas. Fiquei muito impressionada… porque o piloto Português deu duas vezes a volta ao mundo em monomotor.

Quem é que não gosta de um espaço com um wc que cheira bem e que é amigo de pessoas baixinhas (nem só as crianças são baixinhas, há adultos também mínimos!)?

Com espanto e há uns dias descobri que o Museu está apetrechado com uma plataforma de visita áudio-guiada através de uma plataforma digital, ou seja uma app, que pode ser instalada gratuitamente nos nossos telemóveis para que possamos ouvir contar as histórias sobre cada um daqueles maravilhosos objectos. Confesso que ainda não experimentei, mas haveremos de lá chegar.

Legenda do 14 bis . Clicar para ler

As legendas não têm texto justificado à esquerda. E então? Paciência. São inclinadas para ajudar a leitura de pé, curtas e claras e foram simpaticamente impressas a branco com fundo escuro – muito adequado para um sítio com tanta luz natural. São fáceis de ler a uma boa distância. São fáceis de compreender!

Para ser um “museu de Pantufas“, precisava de ter uns sítios para as pessoas se sentarem aqui e ali a descansar as pernas, apreciando em simultâneo tamanhas Obras da Arte, da Ciência e da Tecnologia. Não são outra coisa, estas Máquinas Voadoras.

Sem espanto, entretanto, descobri que o Museu do Ar (Polos de Pêro Pinheiro – Sintra, de Alverca – Vila Franca de Xira e de Ovar) foi considerado o museu do ano 2013 pela Associação Portuguesa de Museus, foi escolhido em 2017 como o 5º melhor museu Português pelos utilizadores TripAdviser e está no Top 20 dos melhores museus do mundo no tema da aviação.

Porque nunca lá tinha ido?! Este é um Museu lindo, abraçado (não se incomodaram com o meu banquinho e com o meu estendal para rabiscos), Acessível e é mesmo para Pessoas variadas! <3
Em breve, o grupo FotoSketchers 2 Linhas irá organizar um encontro lá mesmo!! Vamos?

P.S. para nerds: Tese de Mestrado “Museu do Ar : contributo para um modelo de gestão e programação” (a explorar em breve…)

Rabisco do Piquenique no Campo Grande

Os FotoSketchers 2 Linhas organizaram um piquenique no Campo Grande, por entre duas das vias de trânsito mais ocupadas da cidade. Mesmo no fim-de-semana passam muitos carros, mas ouvem-se lá ao longe. Na última remodelação dos jardins foram criadas elevações nos relvados. Junto ao antigo edifício do Caleidoscópio e a cidade parece distante.

Conversou-se muito mais do que se rabiscou ou fotografou, mas esse é mesmo o espirito do grupo =)

Árvores no Jardim do Campo Grande, Lisboa - by Rita Caré 2019

Ervedal mix com cheiro a Primavera

Ervedal da Beira, Oliveira do Hospital by Rita Caré, 2019
Ervedal da Beira e arredores num dia suave a cheirar a esplendorosa Primavera

Sair de casa, com o sentido pré-definido, mas sem saber exactamente para onde ir. Seguir devagar, observar todos os detalhes que chamam a atenção, geralmente por qualquer estética ou por uma associação emocional, nem sempre explicavéis facilmente. O resultado da viagem é a representação da contemplação reunida numa dupla página única recheada de silêncios preciosos.

Mais pensamentos positivos sobre Viandâncias por aí na última Newsletter.

Funcionário colonial, Mali – MNEtnologia

A Felicidade do difícil e o desapontamento por afinal não ser o D. Quixote… perdi o romantismo do desenho a meio…

A Felicidade e a Tristeza de usufruir da possibilidade de limpar o chão esticando-me por ali e de um museu às moscas…

Museu Nacional de Etnologia by Rita Caré 2019

Preferia não ter o Museu Nacional de Etnologia às moscas e ficar inibida com a curiosidade dos visitantes pelos rabiscos que fazemos… Este Museu é dos preferidos dos sketchers, porque os seus objectos parecem mágicos, saídos de contos de fadas em terras longínquas. É muito intimista e poético.

Tudo isto se passou num dos últimos encontros do FotoSketchers 2 Linhas no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa.

Rabisco da Costa da Caparica com vistas para Casa


Isto é um verdadeiro Rabisco. Alguns risquinhos por aqui e por ali com umas cores de canetas infantis. O que interessa é ser feliz com tudo o resto: as pessoas Giras, as ondas… os olhos fechados deitada nas rochas ao sol,
o calor do Inverno.

Aqui o Búgio dos nossos corações, rabiscado de mais um ângulo que acho que ainda não tinha guardado num caderno.

Os edíficios Palmeiras em Oeiras viam-se mesmo bem, porque em dias assim o ar é muito transparente. Ver o meu prédio lá mais atrás foi incrível… Quando me sinto assim aconchegada está na hora de ir embora para ficar com a sensação de que sempre Amei os sítios que escolhi. Já vivi em várias cidades e nunca gostei de habitar nenhum lugar como aqui, mesmo na fronteira Oeiras-Carcavelos, onde fiz o meu Abrigo há mais de 12 anos. É um pouco estranho viver nas Fronteiras e nas Pontes, mas é aí que Sou Eu em todos os sentidos, não é?

Não deve haver nada que faça de tão importante como ser eu própria uma Ponte.

P.S. Talvez seja por isso que gosto tanto de aviõezinhos de papel. 
Eles voam e podem levar mensagens escritas e desenhadas com eles. 

P.S. 2. Pronto, encontrei-me com um delírio e fiz uma ponte com o meu desenho. É isso mesmo que queria quando resolvi vir para aqui postar… Já cumpri o meu Sábado. :)

Sketching Improv, a kind of Theatre play

Well.. well…

I almost do not sketch anymore, but I cannot avoid sketching these amazing guys at the end of the day, once a week, at Instituto Gulbenkian de Ciência.

It’s so hard to draw moving people… it’s so hard to draw quiet people, but I love to do this. They seem to forget that I’m there and they just do their thing, that is to IMPROV!

“Neptuna” no Parque Bensaúde

Rita Caré, Parque BenSaude, Lisboa, Laranjeiras, Escultura, Urban Sketching, Carimbos, Stamps, Drawing, Sketching,

Penso que esta senhora da escultura de Laranjeira Santos, no Parque Bensaúde, nas Laranjeiras-Lisboa, não tem nome, porque “Cabeça de Mulher” não é nome que se dê a uma escultura… Não acham?!

Mas tratei disso já há algum tempo, porque ela é tão desenhável e graficogénica, desenhada por tanta gente, que tinhamos que lhe chamar mais… Podia ser um homem, não é…? Neptuna! Neptuna parece-me o nome adequado.

Sou muito fascinada por esta figura. Às vezes sento-me na esplanada do bar de costas para ela para não me desconcentrar.

Reparem no carimbo de mim produzido pela Marilisa Mesquita (também Aqui) a partir de um desenho da Mónia Abreu.

 

P.S. “Neptuna” é um nome maravilhoso para dar a uma gata… Mas eu não tenho gatas, só tenho cães :)

 

 

 

 

Uma semana na praia sem fazer NADA… e a engordar com bolas de berlim

 

A minha semana numa praia do Algarve descreve-se assim.

Praia, Algarve, Desenho, Aguarela, Rita Caré

 

Foi qualquer coisa parecida com esta imagem quase todos os dias. Fiquei a olhar para a multidão vestida com os seus coloridos fatos de banho, toalhas e chapéus-de-sol, ou a dormir na areia quente, ao som típico que conhecemos de uma praia Algarvia semi-cheia. Há mais de vinte anos que não experimentava nada no género, mas fiquei com a sensação de que para o ano estou lá outra vez, se puder, com o objectivo de não fazer rigorosamente NADA, para além do básico para sobreviver no dia-a-dia.

Felizmente tive a companhia da Alice, 4 anos e no Instagram @os4reismagos, que desenho nas minhas aguadas enriquecendo-as com obras abstractas maravilhosas (tenho inveja de tal representação de peixes…), usou as minhas aguarelas semi-profissionais e as encheram de grãos de areia, o que na verdade não quero nada saber, porque adoro que ela use os mesmos materiais que eu. Também brincámos com rabiscos sobre manchas de aguarela impressas e fizemos colagens (não apresentadas aqui) e sorrimos :)

 

Não digam a ninguém que abusei a sério nas Bolas de Berlim, que as há normais, com ou sem creme, com nutela, com chocolate e produzidas com farinha de alfarroba em vez da farinha tradicional de trigo. Entretanto, também ouvi falar de produção com algas azuis…

 

 

 

3 ANOS de Foto& Sketchers 2 Linhas!! E um balanço…

Logótipo do grupo Foto&Sketchers 2 Linhas (FS 2´´)
PARABÉNS A NÓS, Foto&Sketchers 2 Linhas!!
 
Em Maio de 2018, o grupo Foto&Sketchers 2 Linhas celebra três anos de existência! 

Não existe uma data muito específica de aniversário, porque a ideia surgiu, algumas pessoas falaram sobre o assunto e criei o blog e este grupo nessa altura. O primeiro encontro foi organizado no dia 31 de Maio de 2015.

Tem sido cá uma Viagem esta!
APLAUSOS E SORRISOS!!
 

Obrigada a todos os que apoiaram a ideia dos Foto&Sketchers 2 Linhas e que têm ajudado a tornar este grupo uma realidade. O nosso grande lema é a PARTILHA E A PROMOÇÃO DA AMIZADE. É uma grande emoção ver tanta gente entusiasmada em participar nas actividades que promovemos, sempre como Voluntários.

Sinto dois “Senãos” no desenvolvimento deste grupo ao longo tempo:

1 – A maioria das pessoas não se têm sentido entusiasmada pela reportagem fotográfica. Mas relembro que este grupo promove também a fotografia, com smartphone ou com máquinas fotográficas super-profissionais. O que interessa é explorar a fotografia como mais gostarem.

2 – A maioria das pessoas não partilha os seus desenhos e fotografias, mas PODE se lhes apetecer, tanto aqui no grupo do Facebook, como no Instagram com a hashtah:
#fotosketchers2linhas. Há ainda a possibilidade de publicarem no blog dos FS 2´´.

Faço notar também três aspectos:

. Ultimamente, têm sido organizados poucos encontros fora de Lisboa, ou seja, nos outros Concelhos que estão nos nossos objectivos: Cascais, Oeiras, Sintra e Amadora. Mas isso irá mudar em breve. Notem que a organização dos encontros depende sempre da disponibilidade e motivação de quem os organiza.

. Há muito tempo que não organizamos um evento durante a semana.

. Há muito tempo que não fazemos uma Expedição a um evento alheio.Por isso, anunciamos que na penúltima semana de Maio (em 24 ou 25 – ainda temos que confirmar a data) iremos promover uma expedição a um evento de organizado por outra Pessoa e Organização que nos são muito Estimadas. Dessa forma celebraremos a Partilha, a Amizade e o que tanto gostamos de fazer: reportagens fotografadas e desenhadas!

Para saberem mais sobre o grupo Foto&Sketchers 2 Linhas, os nossos objectivos, quem somos, a nossa história, explorem a informação da barra lateral do blog e visitem as secções:

 

 

Um mês, um mês muito difícil, UM RECOMEÇO

Rita Care - 1 Mes - Dez2017-Jan2018 (1)

Desde o Verão de 2017, a vida tem sido muito difícil, porque o corpo estava gravemente doente desde há muito mais tempo. Contudo, em Junho de 2017 tornou-se insuportável. A recuperação contínua e não sei se alguma vez mais saberei o que é viver sem Dores. Mas desde há muitos anos, por causa das enxaquecas devido a crises terríveis de sinusite e rinite não deixo que o meu corpo comande o que quero muito fazer. Pelo menos tento. Não é uma vontade racional. É a minha mente que manda mais do que eu. Sei lá, se calhar é o instinto de sobrevivência. Às vezes tenho de racionalmente obrigar-me a ficar parada do corpo e também da cabeça, somente a olhar para uma parede branca, para o mar, para um relvado, para as flores…

Este caderno foi produzido pela Marilisa Mesquita, com grande carinho e  propositadamente para a “viagem” que ambas sabíamos que eu ia ter que fazer. É A6 e não é um “Caderno” clássico, mas em harmónia, concebido para ser leve, mas para pintar aguarela se me apetecesse. Ela produziu 4 destes cadernos muito compridos.

Clicar para ver as imagens em sistema de carrossel
e na setas para avançar ou para voltar atrás

 

Estes desenhos foram feitos no espaço de um mês, de Dezembro de 2017 a Janeiro de 2018. Do primeiro desenho ao segundo há um intervalo de três semanas… Tem de tudo, desde urban sketching (desenho de observação no local), sketchnoting (rabiscos de ideias) a desenho por fotografia e a desenho de memória, a aguarela, lápis de cor e guache. O primeiro desenho foi feito no quarto do hospital, antes da cirurgia, e os restantes foram feitos em Vila Franca de Xira, em casa da família ou na rua.

Este é um caderno muito importante, porque marca um tempo de RENOVAÇãO. A vida jamais será a mesma. Terá que ser LENTA e LEVE. Mas esta viagem tem sido feita sempre acompanhada por Família e Amigos muito queridos que, ao longo dos dias e através das incríveis tecnologias para smartphone não me deixaram esmurecer,  trazendo-me para cima nos dias mais dolorosos.  Essas pessoas sabem quem são :)

Estou a reeinventar-me e isso é mesmo muito bom. Sentia há muito que tinha que mudar e não sabia por onde ir. A vida aponta-me caminhos aqui e ali e vou estando atenta e tomando as minhas decisões consoante as oportunidades que surgem. Estou viva e caminho. Agora parece mesmo um milagre criado pela alta tecnologia e conhecimento médico. Há 5 ou 10 anos atrás talvez estivesse numa cadeira de rodas. É brutal, não é? É, mas eu estou mesmo viva e aqui a andar pela rua e a emagrecer muito para melhorar lentamente o meu Viver. É a terceira vez que a Medicina me salva a vida em 41 anos. Obrigada Deus por inventares as mãos, o desenho, a escrita, o cérebro humano e a Medicina e a Tecnologia do séc. XXI.

Durante aquele mês, deitada na cama a olhar para o tecto imaginei o projecto Salto Virtual (#VirtualJumpSketch). Demorei quase três meses a pô-lo em prática, mas pûs e estou muito orgulhosa de todos os que nele têm participado. É incrível o grande Salto que deram na sua forma de desenhar!

Este post é publicado, por acaso, noutro dia (5 de Abril de 2018) muito marcante e espero que seja o primeiro dia de uma viagem extraordinária que, se correr bem, será partilhada nos próximos tempos.

Pensamentos +++

A Miúda dos Abraços regressou Reformulada para Abraçar a Vida a Sorrir

Rita Caré, 41 anos

 

 

 

 

 

Quando o Prémio de outros é um marco de Vida

Este post é capaz de ser uma seca… e lamechas, mas revelador da minha vivência e também dos últimos meses muito dificeis. Nasce do exemplo do último post “Não passei (2)” da Karina Kushnir, que aborda acontecimentos que nos atiram ao tapete, mas que nos fazem erguer maiores do que nós próprios. Também nasce do marco que o desenho de ontem tem na minha Vida. De certeza que querem ler mais?

Estive na cerimónia do Prémio Acesso Cultura – Linguagem Simples, depois de ter saído de uma consulta com o neurocirurgião. Vou andando devagarinho e vou andando, após mega-cirurgia à coluna por causa de uma hérnia discal que nada teve de simples, agravada pelo facto de ter nascido sem uma vértebra – comigo tinha que ser complicadinho… Ando em recuperação há três meses e hei-de andar. Andar, reparem na palavra! Felizmente encontro-me a Andar!! Pensamentos +++

Bom, vamos mas é ao Prémio! Então, lá estive num ambiente informal e abraçado, tal como já começa a ser hábito nos eventos da Acesso Cultura, da qual sou fã. Reparem nas palavras: Acesso, Acessibilidade e Cultura. Isso! Mais de Pensamentos +++

A Acessibilidade importa-me (mesmo que não soubesse disso assim por estas palavras)  desde que, com seis anos e meio, a minha mãe me levou a enfrentar a dura realidade de pessoas consideradas nessa época como deficientes profundas, ou seja, com limitações muito graves ao nível físico e/ou intelectual. Já se devem estar a perguntar sobre os motivos desta decisão. Foi para me fazer reagir, levando um duro e mega-abanão emocional. Fiquei sem conseguir Andar, após ter estado duas semanas hospitalizada em coma/semi-coma e a recompor-me de duas doenças gravíssimas (a segunda consequência da primeira) que ceifam quase sempre a vida dos adultos, quanto mais as das crianças que delas padecem: miningite e septicémia. Não havia qualquer explicação racional para ter deixado de conseguir manter-me de pé e dar um passo atrás do outro. Então a resposta deveria estar nas emoções… e a minha mãe levou-me ao local onde fizera estágio profissional com aquelas pessoas. Passei lá umas horas, estive com uma fisoterapeuta e saí de lá a Andar novamente e abanada para sempre com um novo olhar para a coisa que é Viver.

Desde então, já lá vão 34 anos, nunca mais Parei… dentro da cabeça pelo menos! Tenho uma louca fobia de estar sem fazer nada… Isso é um desperdício de tempo acha a minha mente. Coitado do meu corpo! Imaginem que estive dois meses na cama a olhar para o tecto… a ter sobretudo pensamentos negativos e ideias parvas. Inventei o Salto Virtual que logo se verá o que vai dar…

Foca-te, concentra-te, Rita! O Prémio! Tem como objectivo chamar a atenção para a necessidade de clareza da linguagem escrita para promover Acessibilidade Intelectual às pessoas que desejam usufruir da Cultura. A Clareza, esse monstro com que luto diariamente, tanto ao nível profissional como pessoal! Este post é exemplo disto mesmo. Clareza e emoções no mesmo texto… está bem, está!

Cerimonia_Premio LS AC_13mar2018_Por_Rita Care_cores_1200

Lá estive muito orgulhosa de fazer um bocadinho parte da Acesso Cultura e desejosa de contribuir. Fui sem saber se conseguiria mesmo lá estar, quanto mais fazer um desenho de pessoas! Fui sem expectativas. Logo se veria o desenrolar dos acontecimentos no meu corpo, que de vez em quando ainda fica extenuado mesmo com esforço mínimo. Mas meti o caderno e a caneta na mala antes de sair de casa. Talvez inspirada pela relevância deste Prémio desenhei em público e desenhei pessoas! Consegui e percebi assim que regressei oficialmente à minha vida activa, mesmo que ela tenha de ser o mais leve e lenta possível… para sempre.

Parabéns ao Museu da Presidência pelo Prémio Acesso Cultura – Linguagem Simples e à Formas Efémeras (que nome tão giro!) pela Menção Honrosa. Obrigada aos Membros do Júri, que tiveram uma clara trabalheira, ao Teatro Nacional D. Maria II, a todos os que tornaram este evento possível e à Acesso Cultura.

Desenho_PremioACLS_PorRitaCare_FotoPorMariaVlachou

Maria Vlachou, obrigada por teres tirado esta foto com o meu caderninho abraçado por mãos! Fiquei muito emocionada!

 

Carimbadelas para animar o Desenhar

 

Carimbar e Desenhar no Bairro do Arco do Cego por Rita Caré 2017
Carimbar e Desenhar no Bairro do Arco do Cego

 

Eu e a Marilisa Mesquita orientámos um workshop de desenho e carimbos em Dezembro de 2017. É claro que muito antes já andavamos a pensar no programa que iriamos abordar e eu a praticar, pois claro…

Estes primeiros desenhos foram criados no Encontro dos Eléctricos do Desenhar Campo de Ourique, os prédios foram trabalhos preparatórios comigo a sentir-me uma criança de 5 anos… O desenho do topo fiz durante a parte teórica que a Marilisa explorou durante o workshop. Estava um clima “daqueles” e então desenhei pela janela da sala para o outro lado da rua, no Bairro do Arco do Cego, em Lisboa.

Cliquem nas imagens

Desenhos-cegos no Encontro FS 2´´ no Bar Irreal

Mais uma vez enfrentei a dimensão A3. É enorme e assustador desenhar, mesmo com desenho-cego, num tamanho tão grande. Estou muito  surpreendida com os resultados.

Também usei esta técnica, porque neste encontro dos Foto&Skethers 2 Linhas (FS 2´´) estava uma convidada especial. Assim demonstrei-lhe como é possível conseguir resultados imediatos e motivadores desenhando desta forma.

Desenho pequeno da convidada Carolina Figueira.

 

Usei outra técnica muito charmosa para desenhos rápidos. Alguém me sabe dizer qual é essa técnica?

Ao tentarmos arranjar forma de explicar este vício dos rabiscos, concluimos que se pegam como os fungos dos pés… Acho uma analogia mesmo muito boa, pois mostra o significado e a força que o Desenhar ao vivo e em grupo tem nas vidas de quem o pratica.


O meu post com mais histórias sobre este encontro no blog dos Foto&Sketchers 2 Linhas

 

 

Adoro desenhar a Ana

Só me apercebi há pouco tempo que adoro desenhar a Ana, porque tenho muitos desenhos dela nos cadernos. Alguns nem sei se ela conhece…

Nem sempre são duelos. Às vezes tem que ser à sucapa. A maioria não está parecido e mesmo os que ficam muito feios não são para tapar ;-)

Gosto muito deste aqui

Neste adoro as girafas e o quadro,
mas ela ficou mesmo muito feia…
Este desenho marca um momento histórico na minha vida rabiscatória.
Foi criado num caderno A4, por isso tem a dimensão gigante de um A3.


Gosto muito deste, mas a Ana ficou com ar de rezingona,
o que não tem nada a ver com o que se estava a passar…

 

Desde Outubro/Novembro de 2017, as pessoas, as minhas pessoas, vão aparecendo nos cadernos. Finalmente isto está acontecer, depois de tantos anos de “luta” comigo própria sobre o mais dificil do desenhar, as pessoas… é que as pessoas são emoções e desenhá-las é um confronto com a sua intimidade.

 

Nota: mesmo estando estes desenhos em caderno e por isso fechados e abrigados da luz, parte deles vai desaparecer. Apesar de gostar muito de alguns dos marcadores com os quais pintei, eles são de marca infantil. Por isso, o pigmento vai desaparecer com o tempo, em breve. Vai ser interessante daqui a 3 anos olhar para estas páginas. Os pigmentos “rascas” vão desaparecer e os pigmentos profissionais vão permecer.

 

 

 

 

Rabiscos de Ideias | Luis Ruiz Padrón sobre Desenhar

O Urban Sketcher Espanhol Luis Ruiz Padrón fez a comunicação “Desenhando a Cidade”, em Novembro passado, na Fundação Arpad Szene Vieira da Silva (FASV).

Aqui ficam os rabiscos de ideias que virão também a ser publicados no meu outro blog, há tempo demais ao abandono.

Cada vez gosto mais de concretizar este tipo de desenho de ideias :)

Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação "Desenhando a Cidade", Luiz Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação “Desenhando a Cidade”, Luis Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação "Desenhando a Cidade", Luis Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação “Desenhando a Cidade”, Luis Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação "Desenhando a Cidade", Luiz Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação “Desenhando a Cidade”, Luis Ruiz Padrón

Da Relevância e do Sentido de Viver: 10 Anos do Movimento dos Urban Sketchers

Rita Care _ FabricaPolvora_10anosUSk_11Nov2017 (2) _ 1200

O Movimento dos Urban Sketchers celebrou 10 anos no dia 11 de Novembro de 2017. Nesse dia, estava numa formação profissional na Fábrica da Pólvora de Barcarena. Alguns dias antes já sabia que desenho queria fazer para celebrar. Não é o desenho mais incrível que fiz, nem por isso, mas foi feito com o coração. Ao olhar para o desenho agora, gosto de pensar que ter pintado com os chamados “Lápis-de-cor Mágicos” não foi um acaso.

Rita Care _ FabricaPolvora_10anosUSk_11Nov2017 (1)_1200

Senti-me triste ao longo do dia, como se estivesse no local errado, por não ter a companhia de pelo menos outro Urban Sketcher comigo. Mas no final do dia rabisquei, sorri e partilhei, cumprindo dessa forma o que de mais importante me trouxeram os Urban Sketchers: mudei irremediavelmente, cresci, tenho-me divertido muito e tornei-me maior, muito maior do que eu própria.

Mari_11Nov2014_FabricaPao_10anosUSk (2)_1200

Em alguns momentos dos últimos anos, principalmente entre 2013 e 2017, quando organizei cerca de 80 encontros dos USkP e do grupo Foto&Sketchers 2 Linhas, quando colaborei, entre 2014 e 2016, com a coordenação dos Urban Sketchers Portugal na gestão de informação e criei o Facebook USkP, senti que o que vivia ia muito além de mim, cumprindo uma grande paixão, projectando o meu trabalho de voluntariado em muitas outras pessoas. Isso criou uma Relevância de Viver cheia de pequenos-gigantes Significados.

Às vezes penso neste tempo e receio nunca mais voltar a ter oportunidade de tocar em tantas outras vidas, mesmo de forma minúscula como fiz com tanta “Gente Gira” ao mesmo tempo e com tamanho impacto.

Pertencer a este Movimento, vivê-lo, testemunhá-lo tem sido das coisas mais importantes que alguma vez farei. As Amizades que construí ao longo dos anos, por causa destes desenhos tão especiais, é das maiores ofertas que a Vida me deu.

De vez em quando faço uma reflexão sobre porque é que Desenho e porque considero tão importante que todos Rabisquem. Podem ler as minhas reflexões ALI, com destaque  ACOLÁ para o desafio que a Liz Steel fez.

Rita Caré, 25 de Fevereiro de 2018

P.S. Este desenho está a ser publicado aqui tantos meses depois do 11 de Novembro de 2017, porque Viver às vezes é difícil, troca-nos as voltas e a motivação. Nas últimas semanas tenho andado a publicar desenhos de 2017 e até mesmo de anos anteriores. E muitos mais faltam ainda até conseguir publicar tudo o que tenho pendente. Tem sido uma viagem de reencontro comigo própria, com o que fui e que quero deixar para trás e na pessoa que quero ser no futuro sob o lema “a vida tem que ser mais lenta e leve”.

Eléctricos em Campo de Ourique

No final de Outubro de 2017, fomos Desenhar em Campo de Ourique, junto à última paragem do Eléctrico 28, em mais um encontro organizado pela Rosário.

Sendo a última paragem do 28 é um óptimo local para desenhar, porque os eléctricos ficam parados durante algum tempo e quando seguem logo vem outro parecido.

 

Além disso disso, tem filas de pessoas, na maioria turistas, mais ou menos quietas. Cheguei mais cedo e fiquei muito tempo só a apreciar a diversidade de pessoas diferentes dos Portugueses. É muito giro. Além disso as pessoas vão quase todas muito animadas, porque estão de férias. São muito bons modelos para rabiscos. Por isso, o ambiente é muito positivo como melhor me convém enquanto urban sketcher.

Não me contentando com os turista,s desenhei a Isa e o Filipe A.

E também a A.C. Adoro desenhá-la! Fica sempre diferente. Na maioria das vezes não se percebe que é ela, mas até gosto disso, porque assim fica sob anonimato :)

Estou muito espantada, porque nos últimos meses o que me interessa é desenhar as pessoas de quem gosto! Desde há anos que luto para evoluir no desenho de pessoas. Tem sido um muito longo e pouco divertido processo. A vida dá-me também esta oferta: gostar de desenhar as pessoas, que no fundo são o que mais importa, mesmo que não apareçam nos desenhos, pois ficam nas memórias.