Quando não se é bem-vindo fica-se muito bem na rua em Belém

Sonhei com desenhos das lâmpadas em exposição no antigo Museu da Electricidade durante três ou quatro semanas e em desenhar o primeiro carro eléctrico em Portugal.

Mas isso não aconteceu, porque quando uma pessoa não se sente bem-vinda não deve ter problemas em “dar de frosques”. Ai não me deixam entrar com o banquinho dos rabiscos? Então, adeus!

Sobraram os pensamentos positivos, os riscos sorridentes e tagarelas. Não digam a ninguém, mas a falta dos cabos na Ponte 25 de Abril não foi obviamente de propósito ;-)


A passagem sucessiva de barcos à vela mesmo à nossa frente foi mote para desenho cego e de linha contínua. Um exercício muito livre, sempre com resultados agradavelmente surpreendentes.

E assim foi no último encontro dos FotoSketchers 2 Linhas no agora MAAT, que já foi o antigo Museu da Electricidade. Tiram-lhe o nome, adicionaram 5 euros à antiga exposição permanente (antigamente gratuita), na qual já não podemos entrar com a nossa mochila, nem de banquinho de rabiscos. Com tanta “fofura”, fiquei cá fora e muito melhor, porque me constou que lá dentro estava abafado. A EDP deve ter dificuldades em pagar a conta da electricidade, por isso nada de colocar ar condicionado. Deve ser para que os visitantes não fiquem lá dentro muito tempo no Verão…

Só me apetece dizer cenas que podem mesmo ser disparates e má língua, mas não consigo esperar coisas muito boas de um museu que se fez inaugurar e reinaugurar várias vezes… Se fizesse com que os visitantes se sentissem abraçados e bem-vindos, não precisariam de reinaugurações.

Nem sequer nos levantámos para ir ver a cara do edifício novo que parece a boca de tubarão… Não nos fez falta nenhuma.

Pronto, pronto, já passou… Mas não me apanham por aquelas bandas enquanto me lembrar disto que aconteceu.

Anúncios

No Museu do Ar a pairar…

Clicar nas imagens para ver maior

Tenho a impressão que a última vez que me senti emocionada assim, ao entrar num Museu, foi no Aquário Vasco da Gama, em 2016, onde não entrava há muitos anos. Emocionei-me … O Museu do Ar, no seu polo de Sintra, é um lugar cheio de ar em redor, no meio do campo. Adorei o logótipo no edifício. Depois dos modelinhos minúsculos, o que se vê é a Máquina Voadora de Da Vinci, os primeiros aviões – Lindos! – e um tecto alto cheio de ar.

Réplica de Máquina Voadora de Da Vinci . Museu do Ar

Talvez me tenha deixado arrebatar assim, porque na véspera da visita tive uma neura terrível (só explicável pelo teor de algumas conversas e de me ter deixado mergulhar numa crise pré-final das férias…). Enfim, que desperdício… ou que faz parte.

Instalação – Voo de João Torto, 1540

João Torto, enfermeiro, fez a primeira tentativa documentada para… voar da Sé de Viseu abaixo… Foi em 1540. Se calhar atirou-se com ajuda de “cenas” delirantes da sua “farmácia” ambulante. Aterrou de pé num telhado qualquer e de seguida fez o seu último voo direitinho para o Céu…

Réplica de 14 bis . Santos Dumont, 1906

Ainda estava nos feitos de Santos Dumont e fiquei sem bateria no telemóvel à terceira foto… Pânico! … Hummm… Após aquela reacção “sem pés-nem-cabeça” do tipo “que horror, estou despida!”, decidi que… “bem, afinal vim para DESENHAR!” =)

Passeei por ali adentro, ao lado e por baixo daqueles enormes e maravilhosos aviões e helicópteros. Passado poucos minutos dei com um grupo de turistas Brasileiros adultos =) a brincar de braços abertos a esvoaçar junto ao belo helicóptero de busca e salvamento, que actuou nos Açores em 1950-62. Entrei dentro de aviões (ou parte deles) até ao cockpit. Entretanto, parecia que estava num filme ao ouvir duas passagens de um avião real a voar: zzzzzzzzuuuuuuuuuuuuummm
zzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZZuuuuuuuuuuuuummmMMMMMMmmmm
O som parecia ser de um daqueles aviões com hélice à frente. Pelo menos foi o que o imaginei. Até o chão estremeceu.

Deixei-me invadir pela nostalgia nas exposições da TAP e da ANA, por causa de um workshop de rabiscos que organizei há uns anos no Museu do Design e da Moda, exactamente sobre os mesmos temas muito estéticos.
O primeiro simulador de voo Português parece um brinquedo para miúdos pequenos. Muito fofo!

No último hangar, dois aspectos chamaram o meu prolongado olhar:
– Pendurados estão muitos modelos a pairar! Senti-me verdadeiramente puxada a levantar voo para o tecto!
– Na entrada, está o avião do Comandante António Faria e Mello que se deslocava em cadeira de rodas. Fiquei muito impressionada… porque o piloto Português deu duas vezes a volta ao mundo em monomotor.

Quem é que não gosta de um espaço com um wc que cheira bem e que é amigo de pessoas baixinhas (nem só as crianças são baixinhas, há adultos também mínimos!)?

Com espanto e há uns dias descobri que o Museu está apetrechado com uma plataforma de visita áudio-guiada através de uma plataforma digital, ou seja uma app, que pode ser instalada gratuitamente nos nossos telemóveis para que possamos ouvir contar as histórias sobre cada um daqueles maravilhosos objectos. Confesso que ainda não experimentei, mas haveremos de lá chegar.

Legenda do 14 bis . Clicar para ler

As legendas não têm texto justificado à esquerda. E então? Paciência. São inclinadas para ajudar a leitura de pé, curtas e claras e foram simpaticamente impressas a branco com fundo escuro – muito adequado para um sítio com tanta luz natural. São fáceis de ler a uma boa distância. São fáceis de compreender!

Para ser um “museu de Pantufas“, precisava de ter uns sítios para as pessoas se sentarem aqui e ali a descansar as pernas, apreciando em simultâneo tamanhas Obras da Arte, da Ciência e da Tecnologia. Não são outra coisa, estas Máquinas Voadoras.

Sem espanto, entretanto, descobri que o Museu do Ar (Polos de Pêro Pinheiro – Sintra, de Alverca – Vila Franca de Xira e de Ovar) foi considerado o museu do ano 2013 pela Associação Portuguesa de Museus, foi escolhido em 2017 como o 5º melhor museu Português pelos utilizadores TripAdviser e está no Top 20 dos melhores museus do mundo no tema da aviação.

Porque nunca lá tinha ido?! Este é um Museu lindo, abraçado (não se incomodaram com o meu banquinho e com o meu estendal para rabiscos), Acessível e é mesmo para Pessoas variadas! <3
Em breve, o grupo FotoSketchers 2 Linhas irá organizar um encontro lá mesmo!! Vamos?

P.S. para nerds: Tese de Mestrado “Museu do Ar : contributo para um modelo de gestão e programação” (a explorar em breve…)

Esqueletos no armário do Museu da Farmácia

Rabiscos digitais de objectos do Museu da Farmácia para o cartaz do último encontro dos FotoSketchers 2 Linhas, a partir de fotografias da colecção exposta online.

Newsletter | Cães, esploradores da Vida e do Mundo, Árvores, Egipto…

Cães, esploradores da Vida e do Mundo, Árvores, Egipto na Nacional Geographic, a Orquestra na RTP2, Agenda Acessível da Acesso Cultura e Wagner da Focinhos e Bigodes
Ler a Nova Newsletter Papiro papirus!

Subscrever para receber via e-mail

Edições anteriores

Newsletter | Ler com lego, Origami, Mickey feio…

Estive de férias e, em vez de ver séries umas atrás das outras, viajei através de podcasts, dormi, fiz turismo com ajuda do Goole Arts & Culture refastelada no sofá, … criei esta newsletter e… ainda não acabei de pensar nisso!

Ler


Subscrever para receber via e-mail

Edições anteriores

Funcionário colonial, Mali – MNEtnologia

A Felicidade do difícil e o desapontamento por afinal não ser o D. Quixote… perdi o romantismo do desenho a meio…

A Felicidade e a Tristeza de usufruir da possibilidade de limpar o chão esticando-me por ali e de um museu às moscas…

Museu Nacional de Etnologia by Rita Caré 2019

Preferia não ter o Museu Nacional de Etnologia às moscas e ficar inibida com a curiosidade dos visitantes pelos rabiscos que fazemos… Este Museu é dos preferidos dos sketchers, porque os seus objectos parecem mágicos, saídos de contos de fadas em terras longínquas. É muito intimista e poético.

Tudo isto se passou num dos últimos encontros do FotoSketchers 2 Linhas no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa.

Newsletter | Ainda não acabei de pensar nisso…

Já fazia sentido a criação desta newsletter há muito muito muito… muito tempo. Não sei se será como um diário online, espelho dos meus pensamentos, desenhados ou não, e das minhas reflexões oriundas do que leio, do que oiço, do que encontro por aí.

Ler o número inaugural


Subscrever para receber via e-mail

Edições anteriores

Gravuras Rupestres em Tanum, Suécia #VirtualJumpSketch

Explorando locais com Gravuras Rupestres classificados como Património Mundial pela UNESCO, descobri as espectaculares Obras de Arte da Idade do Bronze, localizadas em Tanum. Gostei tanto que passei a ser seguidora apaixonada do Instagram do Museu Vitlycke Museum .

Gravuras Rupestres, Tanum, Suécia by Rita Caré

É assim que dou como terminado o projecto oficial Salto Virtual (#VirtualJumpSketch). Torno-o apenas pessoal para quando estiver com o espírito em condições para viajar pela Internet, caçando este tipo de pérolas do maravilhoso mundo criativo dos Seres Humanos.

Para seguir todos os trabalhos que já foram publicados neste projecto e que serão partilhados por mim e por quem queira, basta explorar o Google, o Instagram, o Facebook e o Twitter com a hashtag #VirtualJumpSketch.

Rabiscos Felizes com os Qual Alcatraz

Desenho, Sketching, Urban Sketching, Rita Caré, Papiro papirus, Papiro, Fábrica da Pólovora, Barcarena, Oeiras

Nos rabiscos e parvoíces maravilhosas na Fábrica da Pólvora de Barcarena com os Qual Alcatraz.

Foto, Desenho, Sketching, Urban Sketching, Rita Caré, Papiro papirus, Papiro, Fábrica da Pólovora, Barcarena, Oeiras

 

 

Dos Blogues e a Blogar há quase 16 anos…

BlogRenovado-PapiroPapirus-RitaCare-21mar2017

Cristina Nobre Soares espicaçou-me mais uma vez com um texto sobre BLOGUES, essa grande invenção do final do século XX. Este post é uma adaptação de um comentário que fiz ao seu post no Facebook.

Os blogues são olhados de lado…? São lixo?!

Primeiro, são os arquivos de muitos anos (até décadas) de diários ou semanários de muita gente, das suas vidas pessoais e profissionais. Ainda hoje considero os blogs das ferramentas mais interessantes para arquivar e divulgar informação (acho o WordPress na versão gratuita uma coisa de outra dimensão…). Por causa dos blogs conheci, online e ao vivo, algumas das pessoas mais interessantes da Vida, no contexto de interesses comuns.

Depois, lixo é o que os jornais e os media no geral pretendem impingir a quem os lê/vê. Há por aí muito blog a fazer serviço público, mas muito melhor.

O meu primeiro blog foi criado em Setembro de 2002, quando estava um calor abrasador e estava eu noite dentro a teclar que nem louca numa varanda de Madrid…

Como é possível ter passado tanto tempo?

Escrevi poemas e pequenos textos de emoções e de opiniões, divulguei ciência quando eram raros os que o faziam. Finalmente, anos mais tarde descobri os blogues dos rabiscos. Criei este em 2007.

Publiquei durante anos e anos, até há bem pouco tempo, quase sempre sob anonimato. Sim, que eu não sou autora apenas do Papiro papirus, mas de vários outros blogues. Notem, que há uma urban sketcher poetisa que conheci online através desse primeiro blog de 2002. Este país é um penico, já se sabe…

Durante mais de três anos mantive um blog de divulgação científica, o “Caminhos do Conhecimento”. Durante muito tempo achei que tinha um título péssimo até recentemente ter descoberto que a Ciência Viva agarrou nesse mesmo título para denominar o portal sobre o legado de José Mariano Gago (uma das mais relevantes personalidades da Divulgação Científica em Portugal). Imaginem… Que honra! Eu a pensar que era um nome a cheirar a pseudo-ciência… ahahahah!

Estou a ver que que não sou a única que fui largando um blog, criando outro blog, largando, criando… Nos tempos de hoje só me apetecer manter vivo um único blog, este Papiro papirus! Aqui reúno a maior parte do que me tornei, apesar do foco central serem rabiscos. Sou bióloga do coração, apaixonadérrima por museus, partilhadora de assuntos culturais e de ciência (nesta parte, pouco, porque o faço profissionalmente), desenhadora, mini repórter e opinidadora de vão de escada.

Sabem do que mais gosto?
De reescrever, reescrever, reescrever, reescrever… porque é muito divertido e faz-me crescer,  clarifica a cabeça e o texto, melhora as publicações. Escrever online tem essa vantagem de virmos cá quando nos apetece e melhoramos o que precisa de ser melhorado. Também gosto de voltar atrás de vez em quando e perceber como pensava há muitos anos e quais eram os meus interesses na altura. Os blogs fazem-nos olhar ao espelho. Se os espelhos forem analisados pela positiva isso traz-nos o benefício da evolução da mente e do espírito.

O texto da Cristina Nobre Soares está ali, mas só quem é “Amigo” no Facebook consegue lê-lo. Também está publicado no blog Em Linha Recta.