#VirtualJumpSketch à Orquestra Filarmónica de Berlim, com homenagem a Beethoven com os FS 2.0

Visita virtual à Orquestra Filarmónica de Berlim com homenagem ao Maestro Herbert von Karajen e a Beethoven pelos 250 anos do seu nascimento.

Tudo bem acompanhado de música e chá de menta e scones de nozes como convém em qualquer QuarenTEA dos FotoSketchers 2.0 ;-)

P.S. O momento em que os participantes dançaram ao som de Beethoven foi maravilhoso!! 

#VirtualJumpSketch ao Museu Dalí com os FS 2´´

Incrível visita virtual rabiscada ao Museu Dalí. Desde o “carro-chuva” até ao Beethoven pintado com tinta de polvo e os próprios polvos é todo um mundo surreal para descobrir…

#VirtualJumpSketch com #SNHangout MOCA Museum

Mais um um Virtual Jump Sketch  com o Sketch Note Hangout , desta vez ao MOCA Museum, Tailândia

#VirtualJumpSketch – 1º Encontro Virtual dos FotoSketchers 2 Linhas

Em 29 de Março de 2020, o 1º Encontro dos FotoSketchers 2 Linhas virtual (online e ao vivo) foi muito divertido, tanto pela experiência da falta de experiência na utilização de ferramentas como o ZOOM e as limitações desafiantes da ferramenta na versão gratuita, como a aprendizagem conjunta e a partilha de desafios para desenhar e a adaptação no momento dos desejos de um grupo divertido.

O segundo desafio incluia uma segunda visita exploratória ao Google Arts & Culture, mas logo se tornou livre até ao final da sessão. Cada um desenhou o que lhe apeteceu. A maioria desenhou as carinhas dos outros através do ecrã!

É para repetir, portanto! =) No dia 5 de Abril, outra vez às 17h. Informações aparecerão no Facebook dos FotoSketchers 2 Linhas.

Este rabisco tem uma gralha no cabeçalho – Deve ler-se #VirtualJumpSketch

Este #VirtualJumpSketch à exposição online “As Pinturas: 1000 anos de obras primas Portuguesas – 10 Pintores Portugueses Que Tem de Conhecer” no portal “Google Arts & Culture” para explorar a obra de Joaquim Rodrigo pareceu chamar a atenção dos que desconheciam o autor, entusiasmando também os fãs! No segundo desafio, fui revisitar as obras de Amadeo de Souza-Cardosa, de quem sou fã incondicional. Não faltaram os balões de pensamentos e de citações dos participantes neste encontro muito animado.

#USkAtHome | Rabiscos da Varanda com os USk Milão

Os Urban Sketchers Milan (Itália) organizaram o desafio #USkAtHome para desenharem em casa. Apesar de não desenhar em casa nem a vista lá para fora, porque gosto muito de preservar a minha intimidade até dos meus próprios cadernos…, segui o desafio.

Esta cena “coronovirótica” que vivemos tem coisas boas. Pois vejamos, às vezes acho que não usufruo o suficiente da vista da minha marquise e da vista para a “FarmeVille” do meu vizinho do outro lado da rua. Durante as últimas semanas, testemunhei o seu árduo trabalho de cortar e arrancar ervas daninhas, arar a terra com um mini tractor e semear. Ele todos os anos faz uma grande plantação de batatas, para além de outros vegetais que não consigo ver o que são, e o seu pomar com belas laranjeiras e outras árvores de frutos secos.

 

Ilustração Ajudaris – Juntos fazemos o mundo

Em 2019, colaborei no projecto – Livro “Histórias Ajudaris 2019” sobre desenvolvimento sustentável. Participei com três ilustrações criadas a partir de histórias escritas por crianças. Esta foi a ilustração preferida para o texto “Juntos fazemos o mundo”.

Juntos fazemos o Mundo por Rita Caré 2019

#VirtualJumpSketch ao Largo Sto Estevão

Fiz outra vez companhia à Mari e “Saltei” numa experiência interessante e única. Ela estava a rabiscar em Alfama (Lisboa), falámos por telefone, disse-me a localização exacta, eu pesquisei imagens na Internet e no Google Maps, e desenhei com ela a partir de casa, mas nma foto noctura! O mais giro é que ouvia muito bem e inclui balões de fala! Foi uma partilha muito divertida! Viva os phones para ouvir bem com as mãos livres.

#VirtualJumpSketch ao Encontro dos ÉSk, à Estação de Comboios de Évora

Fiz companhia à Mari e “Saltei” à Estação de Comboios de Évora, ao último encontro dos Évora Sketchers. Tudo em diferido, claro está, através do Google Maps e do Google Images.

#VirtualJumpSketch a Benfica, Lisboa

No friozinho do Inverno é bom poder Saltar por aí nos motores de busca para explorar lugares, mesmo que por perto, como a Benfica em Lisboa.
Há muito tempo que não usava lápis-de-cor mágico e não gostei muito desta experiência.

Ensaio de “Star Wars” por Orquestra Gulbenkian

Pelos “Reis” há um evento anual para as equipas que colaboram na Fundação Calouste Gulbenkian.

Não fazia ideia ao que ia quando decidi ir ao tradicional concerto, que de tradicional nada teve. Fomos brindados com o primeiro ensaio da Orquestra Gulbenkian para o Concerto-Filme “Star Wars”. Estive dentro do auditório mais de três horas. Nunca antes tinha assistido a um verdadeiro ensaio de música. Só arredei pés quando já não aguentava o frio do ar condicionado. Já só lá estava eu e os técnicos a assistir.

Foi maravilhoso… Houve momentos em que tive vontade de chorar com aquele som!

Desse dia tenho também a memória da nomeação oficial de Carlos Moedas como membro para o Concelho de Administração. O que mais relevante ficou na minha mente foi a palavra “Intersecções” que disse várias vezes e com a qual me revejo.

#VirtualJumpSketch à Nova Zelândia

Seguindo uma conversa com a Marilisa, fui viajar à Nova Zelândia, num Salto Virtual para explorar Aukland e outros locais daquele país tão distante. Quando inventarem um portal de saltos espaço-temporais vou para aquelas bandas. Entretanto, enquanto isso não acontece, fico-me pelas pesquisas na Internet.

Para conhecerem mais sobre o projecto #VirtualJumpSketch

Saltem daí à Nova Zelândia! Como? Ler sugestões ALI

Visita FS 2´´ ao Aquário Vasco da Gama muito fotografada e pouco rabiscada, com Lego

Não me diverti assim tanto com Lego no Aquário Vasco da Gama, como imaginava, por isso tenho que lá ir novamente com mais do que um mergulhador e uns peixes construídos com os tijolos mais famosos do planeta  ;-)

As fotos não têm grande qualidade porque lá vive-se no escurinho…
Do que mais gostei foram das raias bebés, do charroco bisbilhoteiro e dos peixes apara-lápis sempre a viver de cabeça para baixo sem que lhes doa a cabeça!

Desenhei muito pouco mais gosto de quase todos os rabiscos do peixe-lua, acho que um Albatroz, o Rei D. Carlos I e uns tubarões e outros peixes das profundezas, as famosas raias bebés, um ovo de raia e os adoráveis peixes apára-lápis.

Carolina enigmática no mar do Bugio

Nas últimas semanas senti aquela chama pela Aguarela que há muito tempo não sentia, porque recomecei a dar aulas.
Por isso, estou numa de recomeçar a pincelar à hora do almoço.
A Carolina foi almoçar comigo, estava um sol magnífico e fomos para a rua brincar aos pintores! Aproveitei esta mancha para praticar desenho semi-cego e deu nisto, a Carolina com um ar punk e enigmático Ahahahahha!

Até à próxima pincelada!

Quando não se é bem-vindo fica-se muito bem na rua em Belém

Sonhei com desenhos das lâmpadas em exposição no antigo Museu da Electricidade durante três ou quatro semanas e em desenhar o primeiro carro eléctrico em Portugal.

Mas isso não aconteceu, porque quando uma pessoa não se sente bem-vinda não deve ter problemas em “dar de frosques”. Ai não me deixam entrar com o banquinho dos rabiscos? Então, adeus!

Sobraram os pensamentos positivos, os riscos sorridentes e tagarelas. Não digam a ninguém, mas a falta dos cabos na Ponte 25 de Abril não foi obviamente de propósito ;-)


A passagem sucessiva de barcos à vela mesmo à nossa frente foi mote para desenho cego e de linha contínua. Um exercício muito livre, sempre com resultados agradavelmente surpreendentes.

E assim foi no último encontro dos FotoSketchers 2 Linhas no agora MAAT, que já foi o antigo Museu da Electricidade. Tiram-lhe o nome, adicionaram 5 euros à antiga exposição permanente (antigamente gratuita), na qual já não podemos entrar com a nossa mochila, nem de banquinho de rabiscos. Com tanta “fofura”, fiquei cá fora e muito melhor, porque me constou que lá dentro estava abafado. A EDP deve ter dificuldades em pagar a conta da electricidade, por isso nada de colocar ar condicionado. Deve ser para que os visitantes não fiquem lá dentro muito tempo no Verão…

Só me apetece dizer cenas que podem mesmo ser disparates e má língua, mas não consigo esperar coisas muito boas de um museu que se fez inaugurar e reinaugurar várias vezes… Se fizesse com que os visitantes se sentissem abraçados e bem-vindos, não precisariam de reinaugurações.

Nem sequer nos levantámos para ir ver a cara do edifício novo que parece a boca de tubarão… Não nos fez falta nenhuma.

Pronto, pronto, já passou… Mas não me apanham por aquelas bandas enquanto me lembrar disto que aconteceu.

No Museu do Ar a pairar…

Clicar nas imagens para ver maior

Tenho a impressão que a última vez que me senti emocionada assim, ao entrar num Museu, foi no Aquário Vasco da Gama, em 2016, onde não entrava há muitos anos. Emocionei-me … O Museu do Ar, no seu polo de Sintra, é um lugar cheio de ar em redor, no meio do campo. Adorei o logótipo no edifício. Depois dos modelinhos minúsculos, o que se vê é a Máquina Voadora de Da Vinci, os primeiros aviões – Lindos! – e um tecto alto cheio de ar.

Réplica de Máquina Voadora de Da Vinci . Museu do Ar

Talvez me tenha deixado arrebatar assim, porque na véspera da visita tive uma neura terrível (só explicável pelo teor de algumas conversas e de me ter deixado mergulhar numa crise pré-final das férias…). Enfim, que desperdício… ou que faz parte.

Instalação – Voo de João Torto, 1540

João Torto, enfermeiro, fez a primeira tentativa documentada para… voar da Sé de Viseu abaixo… Foi em 1540. Se calhar atirou-se com ajuda de “cenas” delirantes da sua “farmácia” ambulante. Aterrou de pé num telhado qualquer e de seguida fez o seu último voo direitinho para o Céu…

Réplica de 14 bis . Santos Dumont, 1906

Ainda estava nos feitos de Santos Dumont e fiquei sem bateria no telemóvel à terceira foto… Pânico! … Hummm… Após aquela reacção “sem pés-nem-cabeça” do tipo “que horror, estou despida!”, decidi que… “bem, afinal vim para DESENHAR!” =)

Passeei por ali adentro, ao lado e por baixo daqueles enormes e maravilhosos aviões e helicópteros. Passado poucos minutos dei com um grupo de turistas Brasileiros adultos =) a brincar de braços abertos a esvoaçar junto ao belo helicóptero de busca e salvamento, que actuou nos Açores em 1950-62. Entrei dentro de aviões (ou parte deles) até ao cockpit. Entretanto, parecia que estava num filme ao ouvir duas passagens de um avião real a voar: zzzzzzzzuuuuuuuuuuuuummm
zzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZZuuuuuuuuuuuuummmMMMMMMmmmm
O som parecia ser de um daqueles aviões com hélice à frente. Pelo menos foi o que o imaginei. Até o chão estremeceu.

Deixei-me invadir pela nostalgia nas exposições da TAP e da ANA, por causa de um workshop de rabiscos que organizei há uns anos no Museu do Design e da Moda, exactamente sobre os mesmos temas muito estéticos.
O primeiro simulador de voo Português parece um brinquedo para miúdos pequenos. Muito fofo!

No último hangar, dois aspectos chamaram o meu prolongado olhar:
– Pendurados estão muitos modelos a pairar! Senti-me verdadeiramente puxada a levantar voo para o tecto!
– Na entrada, está o avião do Comandante António Faria e Mello que se deslocava em cadeira de rodas. Fiquei muito impressionada… porque o piloto Português deu duas vezes a volta ao mundo em monomotor.

Quem é que não gosta de um espaço com um wc que cheira bem e que é amigo de pessoas baixinhas (nem só as crianças são baixinhas, há adultos também mínimos!)?

Com espanto e há uns dias descobri que o Museu está apetrechado com uma plataforma de visita áudio-guiada através de uma plataforma digital, ou seja uma app, que pode ser instalada gratuitamente nos nossos telemóveis para que possamos ouvir contar as histórias sobre cada um daqueles maravilhosos objectos. Confesso que ainda não experimentei, mas haveremos de lá chegar.

Legenda do 14 bis . Clicar para ler

As legendas não têm texto justificado à esquerda. E então? Paciência. São inclinadas para ajudar a leitura de pé, curtas e claras e foram simpaticamente impressas a branco com fundo escuro – muito adequado para um sítio com tanta luz natural. São fáceis de ler a uma boa distância. São fáceis de compreender!

Para ser um “museu de Pantufas“, precisava de ter uns sítios para as pessoas se sentarem aqui e ali a descansar as pernas, apreciando em simultâneo tamanhas Obras da Arte, da Ciência e da Tecnologia. Não são outra coisa, estas Máquinas Voadoras.

Sem espanto, entretanto, descobri que o Museu do Ar (Polos de Pêro Pinheiro – Sintra, de Alverca – Vila Franca de Xira e de Ovar) foi considerado o museu do ano 2013 pela Associação Portuguesa de Museus, foi escolhido em 2017 como o 5º melhor museu Português pelos utilizadores TripAdviser e está no Top 20 dos melhores museus do mundo no tema da aviação.

Porque nunca lá tinha ido?! Este é um Museu lindo, abraçado (não se incomodaram com o meu banquinho e com o meu estendal para rabiscos), Acessível e é mesmo para Pessoas variadas! <3
Em breve, o grupo FotoSketchers 2 Linhas irá organizar um encontro lá mesmo!! Vamos?

P.S. para nerds: Tese de Mestrado “Museu do Ar : contributo para um modelo de gestão e programação” (a explorar em breve…)

Rabisco do Piquenique no Campo Grande

Os FotoSketchers 2 Linhas organizaram um piquenique no Campo Grande, por entre duas das vias de trânsito mais ocupadas da cidade. Mesmo no fim-de-semana passam muitos carros, mas ouvem-se lá ao longe. Na última remodelação dos jardins foram criadas elevações nos relvados. Junto ao antigo edifício do Caleidoscópio e a cidade parece distante.

Conversou-se muito mais do que se rabiscou ou fotografou, mas esse é mesmo o espirito do grupo =)

Árvores no Jardim do Campo Grande, Lisboa - by Rita Caré 2019

Ervedal mix com cheiro a Primavera

Ervedal da Beira, Oliveira do Hospital by Rita Caré, 2019
Ervedal da Beira e arredores num dia suave a cheirar a esplendorosa Primavera

Sair de casa, com o sentido pré-definido, mas sem saber exactamente para onde ir. Seguir devagar, observar todos os detalhes que chamam a atenção, geralmente por qualquer estética ou por uma associação emocional, nem sempre explicavéis facilmente. O resultado da viagem é a representação da contemplação reunida numa dupla página única recheada de silêncios preciosos.

Mais pensamentos positivos sobre Viandâncias por aí na última Newsletter.