Pérolas e peripécias: Pessoas em Madrid… em 2014

Tenho dezenas de desenhos para partilhar, não do último mês, mas desde antes do Verão até Dezembro de 2017 e até mais antigos. Estou, por isso, a dar volta a cadernos por terminar para lhes dar uma solução e percebi que não posso meter nenhum na reciclagem. Estão recheados de pérolas como estas aqui que já tinha partilhado, mas volto a fazê-lo, porque as recordações e a revisão das nossas vidas faz parte do que é Viver. Não gostava desses desenhos, porque ainda os acho mesmo muito feios, mas hoje, mais de três anos depois (2014), acho-os adoráveis. Representam o esforço que faço há muito tempo para desenhar pessoas. Representam a confissão de que sou tímida e não estou nada à vontade para desenhar seres humanos que não conheço e muito menos em espaços públicos.

 

Além disso, representam uma viagem muito agradável, apesar dos vários sarilhos em que me vi metida:

  • Primeiro foram umas calças rasgadas que a Isa notou quando saí do carro no aeroporto (felizmente tivemos tempo de ir ao centro comercial mais próximo, porque eu não levava nenhumas alternativas… aprendi essa lição! Levar sempre umas calças adicionais mesmo que seja uma viagem de um só dia);
  • O voo saiu mais de uma hora atrasado e perdi-me duas vezes no metro de Madrid, mas mesmo assim o casal que me alugou o quarto esperou por mim até quase às duas da manhã e ele foi-me buscar à porta do metro (para não se perder mais tempo já se vê…);
  • Conheci esse casal interessantissimo: ela bailarina e ele fotógrafo. Conheceram-se no dia em que ela lhe alugou um quarto no AirB&B, esse sistema que até hoje me deixa quase sempre boas recordações;
  • Fui em trabalho, mas aproveitei cada minuto para visitar Madrid, várias exposições e rabiscar o que pude.
  • Visitei pela primeira vez um museu à noite, o Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia (eu bem vos digo que aproveitei todos os minutos!)
  • Visitei o Museu Arqueológico Nacional de Espanha e adorei. Estaria lá dias a fio…
  • Um dos desenhos que fiz nessa viagem foi muito tempo depois publicado na revista “Sketchers” nº5 dos Urban Sketchers Spain!

Para lerem mais sobre Madrid e a sua grande importância na minha vida visitem ACOLÁ

 

 

 

Anúncios

Eléctricos amarelos e autocarros verdes

Não gosto especialmente dos meus desenhos do último encontro no Museu da Carris, nem sequer das fotos, que foram escassas. Mas adoro estes encontros em que não quero saber grande coisa de rabiscos e fotos, porque conversar e viver o ambiente é muito mais interessante. Foi dos encontros mais divertidos dos últimos tempos!

Aproveitei para desenhar as pessoas a desenharem :)

Rita Care - 5ago2017 Museu Carris (1) (1)

 

Rita Care - 5ago2017 Museu Carris (3)

 

Rita Care - 5ago2017 Museu Carris (4)

 

Quando agendei este 4º encontro estava convencida que iriam aparecer cinco ou seis “gatos pingados”… mas fomos 25! A visita é sempre muito agradável, porque os funcionários gostam muito de nos receber, sobretudo o Sr. Sérgio, condutor do eléctrico nº1 (no qual todos os visitantes andam) e que é um entusiasta. A Isa Silva fez um vídeo de uma das nossas viagens de retorno à entrada que espelha a nossa alegria!

Mais rabiscos e fotos estão ALI nos FS 2´´.

 

 

 

“Rima” com sombras quentes…

à conversa, 39º C, brisa às vezes, duas limonadas, a miúda reflexiva inquieta, uma árvore, lápis mágicos, que difícil a caligrafia, zoo…

Rita Care - Jardim dos Sabores Zoo - 2016 (1024x683)

Parque D. Carlos I, Caldas

Para além dos cisnes e dos gansos também rabisquei rápida e descomprometidamente as vistas da esplanada do Parque D. Carlos I, acompanhada de excelentes petiscos. O café-restaurante do parque foi renovado e está fantástico!

Senti um despertar do comércio das Caldas da Rainha nesta visita. Pelo menos há vários novos restaurantes…

Rita Care - CaldasParqueD.CarlosI - Jun2016 (3) (1024x706)
Vista da esplanada do Parque D. Carlos I
Rita Care - CaldasParqueD.CarlosI - Jun2016 (4) (1024x710)
Coreto do Parque D. Carlos I

Paris – Reportagem – Museu de Cluny e au revoir!

O Museu de Cluny dedica-se à história medieval.  Visitei-o de pés ensopados pela chuva, que se iniciou neste dia e teve como consequência as cheias históricas em França nos dias seguintes.

As peças de que mais gosto nos museus são quase sempre pequenas e produzidas com materiais “menores”. Nada de ouros, nem tapeçarias gigantes apesar de incríveis, como as que reportam a história da Dama e do Unicórnio, representado ali no marcador de livros.

A peça que mais me impressionou foi este cantil de barro, com uma tira de pele para transportar ao pescoço, dos séc. III-IV. Fiquei muito tempo a olhar para ele e a pensar neste objecto fundamental na vida de um viajante de há tantos séculos atrás, de como seria difícil e perigoso viver, mas em como tudo seria talvez mais “simples”…

Rita Care - Paris (13)

E depois de mais uma salada magnífica no “La Piscine”, voámos de regresso ao fim do dia…Rita Care - Paris (14)

Paris – Reportagem – d’Arc, saladas parisiences, concerto de rua :D

Jeanne d´Arc no Museu da Vida Romântica

Rita Care - Paris (10)

Chat Noir entre objectos maravilhosos no ridículo Museu (?) Carnavalet. Museus sem legendas não deveriam ser considerados museus, mas mostras de objectos sem sentido…

Rita Care - Paris (11)

Salada Seguin que se tornou uma tradição dos dias no La Piscine, a 50 metros do hotel.

Rita Care - Paris (12)

O melhor do Carnavelet foi ter-me levado a encontrar os Swing in Paris a tocar na rua.

Paris Prévia – Reportagem

 

 

Antes de uma viagem há tantas coisas. Há o dia em que se decide: Vou! Neste caso, em Abril cometi este acto de “loucura”, porque a necessidade de ir visitar o Amadeo a Paris assolava-me há semanas… Era uma boa desculpa, mas não por si só….

Desconfiei até ao último momento que não iria. Para me motivar fiz vários rabiscos prévios e carimbei todas as páginas, criei aguadas soltas para depois as desenhar em Paris. Tudo poderia dar para o torto incluindo greves gerais em França, manifestações violentas nas vésperas, chuva e trovadas adivinhavam-se…

Mas fui. O melhor de Paris foi a exposição do Amadeo no Grand Palais!

Não me lembrava que a Torre Eiffel é tão alta e grande… e “agarrei-a” sob sol, mas isso ficará para outro post :D