Do risco mínimo para a “Ópera Chinesa”

Rita Caré, Papiro papirus, Traje dos Remendos, Museu do Oriente, Ópera Chinesa, Exposiçao, Lisboa, Urban Sketching, Desenho,
Traje dos Remendos na Exposição “Ópera Chinesa”, Museu do Oriente

No encontro dos Foto e Sketchers 2 Linhas, organizado no Museu do Oriente, a roupa que mais me impressionou na exposição “Ópera Chinesa” foi esta, pela sua aparentente humildade, através dos remendos cosidos. Mas este design foi criado propositadamente e apresenta-se muito luxuoso. A sua grande simplicidade de linhas e as cores atrairam-me imediatamente o olhar.

Rita Caré, Papiro papirus, Instrumentos Musicais, Disco de Vinil, Museu do Oriente, Ópera Chinesa, Exposição, Lisboa, Urban Sketching, Desenho,
Instrumentos musicais, disco de vinil e fantoche, na exposição “Ópera Chinesa”, no Museu do Oriente

Na parte mais interessante da exposição encontrei alguns instrumentos musicais fascinantes, uma colecção de discos de vinil com capas maravilhosas. E o mais giro de tudo, existia uma caixa azul, com buracos circulares, para espreitarmos lá para dentro, onde encontrávamos fantoches, outros brinquedos e jogos. Para verem fotos desses objectos da “Ópera Chinesa”, visitem os posts no blog dos FS 2´´.

Dei ainda com diários gráficos criados para preparar as peças de teatro.

 

 

Anúncios

Um mês, um mês muito difícil, UM RECOMEÇO

Rita Care - 1 Mes - Dez2017-Jan2018 (1)

Desde o Verão de 2017, a vida tem sido muito difícil, porque o corpo estava gravemente doente desde há muito mais tempo. Contudo, em Junho de 2017 tornou-se insuportável. A recuperação contínua e não sei se alguma vez mais saberei o que é viver sem Dores. Mas desde há muitos anos, por causa das enxaquecas devido a crises terríveis de sinusite e rinite não deixo que o meu corpo comande o que quero muito fazer. Pelo menos tento. Não é uma vontade racional. É a minha mente que manda mais do que eu. Sei lá, se calhar é o instinto de sobrevivência. Às vezes tenho de racionalmente obrigar-me a ficar parada do corpo e também da cabeça, somente a olhar para uma parede branca, para o mar, para um relvado, para as flores…

Este caderno foi produzido pela Marilisa Mesquita, com grande carinho e  propositadamente para a “viagem” que ambas sabíamos que eu ia ter que fazer. É A6 e não é um “Caderno” clássico, mas em harmónia, concebido para ser leve, mas para pintar aguarela se me apetecesse. Ela produziu 4 destes cadernos muito compridos.

Clicar para ver as imagens em sistema de carrossel
e na setas para avançar ou para voltar atrás

 

Estes desenhos foram feitos no espaço de um mês, de Dezembro de 2017 a Janeiro de 2018. Do primeiro desenho ao segundo há um intervalo de três semanas… Tem de tudo, desde urban sketching (desenho de observação no local), sketchnoting (rabiscos de ideias) a desenho por fotografia e a desenho de memória, a aguarela, lápis de cor e guache. O primeiro desenho foi feito no quarto do hospital, antes da cirurgia, e os restantes foram feitos em Vila Franca de Xira, em casa da família ou na rua.

Este é um caderno muito importante, porque marca um tempo de RENOVAÇãO. A vida jamais será a mesma. Terá que ser LENTA e LEVE. Mas esta viagem tem sido feita sempre acompanhada por Família e Amigos muito queridos que, ao longo dos dias e através das incríveis tecnologias para smartphone não me deixaram esmurecer,  trazendo-me para cima nos dias mais dolorosos.  Essas pessoas sabem quem são :)

Estou a reeinventar-me e isso é mesmo muito bom. Sentia há muito que tinha que mudar e não sabia por onde ir. A vida aponta-me caminhos aqui e ali e vou estando atenta e tomando as minhas decisões consoante as oportunidades que surgem. Estou viva e caminho. Agora parece mesmo um milagre criado pela alta tecnologia e conhecimento médico. Há 5 ou 10 anos atrás talvez estivesse numa cadeira de rodas. É brutal, não é? É, mas eu estou mesmo viva e aqui a andar pela rua e a emagrecer muito para melhorar lentamente o meu Viver. É a terceira vez que a Medicina me salva a vida em 41 anos. Obrigada Deus por inventares as mãos, o desenho, a escrita, o cérebro humano e a Medicina e a Tecnologia do séc. XXI.

Durante aquele mês, deitada na cama a olhar para o tecto imaginei o projecto Salto Virtual (#VirtualJumpSketch). Demorei quase três meses a pô-lo em prática, mas pûs e estou muito orgulhosa de todos os que nele têm participado. É incrível o grande Salto que deram na sua forma de desenhar!

Este post é publicado, por acaso, noutro dia (5 de Abril de 2018) muito marcante e espero que seja o primeiro dia de uma viagem extraordinária que, se correr bem, será partilhada nos próximos tempos.

Pensamentos +++

A Miúda dos Abraços regressou Reformulada para Abraçar a Vida a Sorrir

Rita Caré, 41 anos

 

 

 

 

 

A pintar Doodles Invasion, uma invasão de rabiscos

Quando não se pode desenhar, há alternativas muito interessantes, por exemplo, livros para colorir. Há imagens que estão mesmo a pedir que deixemos muito em branco e pintemos apenas alguns detalhes que ficam dessa forma destacados. Estes desenhos são excelentes para fazer o exercício: o que deixar em branco e o que pintar?

Outro exercício muito interessante é pesquisar textos/citações para incluir na página.

Estes desenhos são do Kerby Rosanes

 

Clicar para ver as imagens

Carimbadelas para animar o Desenhar

 

Carimbar e Desenhar no Bairro do Arco do Cego por Rita Caré 2017
Carimbar e Desenhar no Bairro do Arco do Cego

 

Eu e a Marilisa Mesquita orientámos um workshop de desenho e carimbos em Dezembro de 2017. É claro que muito antes já andavamos a pensar no programa que iriamos abordar e eu a praticar, pois claro…

Estes primeiros desenhos foram criados no Encontro dos Eléctricos do Desenhar Campo de Ourique, os prédios foram trabalhos preparatórios comigo a sentir-me uma criança de 5 anos… O desenho do topo fiz durante a parte teórica que a Marilisa explorou durante o workshop. Estava um clima “daqueles” e então desenhei pela janela da sala para o outro lado da rua, no Bairro do Arco do Cego, em Lisboa.

Cliquem nas imagens

Desenhos-cegos no Encontro FS 2´´ no Bar Irreal

Mais uma vez enfrentei a dimensão A3. É enorme e assustador desenhar, mesmo com desenho-cego, num tamanho tão grande. Estou muito  surpreendida com os resultados.

Também usei esta técnica, porque neste encontro dos Foto&Skethers 2 Linhas (FS 2´´) estava uma convidada especial. Assim demonstrei-lhe como é possível conseguir resultados imediatos e motivadores desenhando desta forma.

Desenho pequeno da convidada Carolina Figueira.

 

Usei outra técnica muito charmosa para desenhos rápidos. Alguém me sabe dizer qual é essa técnica?

Ao tentarmos arranjar forma de explicar este vício dos rabiscos, concluimos que se pegam como os fungos dos pés… Acho uma analogia mesmo muito boa, pois mostra o significado e a força que o Desenhar ao vivo e em grupo tem nas vidas de quem o pratica.


O meu post com mais histórias sobre este encontro no blog dos Foto&Sketchers 2 Linhas

 

 

Adoro desenhar a Ana

Só me apercebi há pouco tempo que adoro desenhar a Ana, porque tenho muitos desenhos dela nos cadernos. Alguns nem sei se ela conhece…

Nem sempre são duelos. Às vezes tem que ser à sucapa. A maioria não está parecido e mesmo os que ficam muito feios não são para tapar ;-)

Gosto muito deste aqui

Neste adoro as girafas e o quadro,
mas ela ficou mesmo muito feia…
Este desenho marca um momento histórico na minha vida rabiscatória.
Foi criado num caderno A4, por isso tem a dimensão gigante de um A3.


Gosto muito deste, mas a Ana ficou com ar de rezingona,
o que não tem nada a ver com o que se estava a passar…

 

Desde Outubro/Novembro de 2017, as pessoas, as minhas pessoas, vão aparecendo nos cadernos. Finalmente isto está acontecer, depois de tantos anos de “luta” comigo própria sobre o mais dificil do desenhar, as pessoas… é que as pessoas são emoções e desenhá-las é um confronto com a sua intimidade.

 

Nota: mesmo estando estes desenhos em caderno e por isso fechados e abrigados da luz, parte deles vai desaparecer. Apesar de gostar muito de alguns dos marcadores com os quais pintei, eles são de marca infantil. Por isso, o pigmento vai desaparecer com o tempo, em breve. Vai ser interessante daqui a 3 anos olhar para estas páginas. Os pigmentos “rascas” vão desaparecer e os pigmentos profissionais vão permecer.

 

 

 

 

Rabiscos de Ideias | Luis Ruiz Padrón sobre Desenhar

O Urban Sketcher Espanhol Luis Ruiz Padrón fez a comunicação “Desenhando a Cidade”, em Novembro passado, na Fundação Arpad Szene Vieira da Silva (FASV).

Aqui ficam os rabiscos de ideias que virão também a ser publicados no meu outro blog, há tempo demais ao abandono.

Cada vez gosto mais de concretizar este tipo de desenho de ideias :)

Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação "Desenhando a Cidade", Luiz Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação “Desenhando a Cidade”, Luis Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação "Desenhando a Cidade", Luis Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação “Desenhando a Cidade”, Luis Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação "Desenhando a Cidade", Luiz Ruiz Padrón
Rabiscos de Ideias (Sketch Notes) da comunicação “Desenhando a Cidade”, Luis Ruiz Padrón

Eléctricos em Campo de Ourique

No final de Outubro de 2017, fomos Desenhar em Campo de Ourique, junto à última paragem do Eléctrico 28, em mais um encontro organizado pela Rosário.

Sendo a última paragem do 28 é um óptimo local para desenhar, porque os eléctricos ficam parados durante algum tempo e quando seguem logo vem outro parecido.

 

Além disso disso, tem filas de pessoas, na maioria turistas, mais ou menos quietas. Cheguei mais cedo e fiquei muito tempo só a apreciar a diversidade de pessoas diferentes dos Portugueses. É muito giro. Além disso as pessoas vão quase todas muito animadas, porque estão de férias. São muito bons modelos para rabiscos. Por isso, o ambiente é muito positivo como melhor me convém enquanto urban sketcher.

Não me contentando com os turista,s desenhei a Isa e o Filipe A.

E também a A.C. Adoro desenhá-la! Fica sempre diferente. Na maioria das vezes não se percebe que é ela, mas até gosto disso, porque assim fica sob anonimato :)

Estou muito espantada, porque nos últimos meses o que me interessa é desenhar as pessoas de quem gosto! Desde há anos que luto para evoluir no desenho de pessoas. Tem sido um muito longo e pouco divertido processo. A vida dá-me também esta oferta: gostar de desenhar as pessoas, que no fundo são o que mais importa, mesmo que não apareçam nos desenhos, pois ficam nas memórias.

Biblioteca Viva sobre o Mar

No principio do ano passado, participei num encontro da Jaws que explorou o conceito de Biblioteca Viva, no Museu do Mar, em Cascais. Uma varina, um pescador, uma antropóloga, uma oceanágrafa e um surfista falaram sobre a sua experiência profissional. Criei cinco duplas páginas correspondentes a cada uma das testemunhas, mas partilho apenas estas, que foram as primeiras, porque não gosto das outras e não representam bem o momento, talvez porque já estava muito cansada. No final lanchámos todos e foi mesmo muito interessante conversarmos descontraidamente com a Varina e com o Pescador, com idade para serem meus avós.

Notem, por favor, que algumas das informações incluídas nos balões de fala podem não estar correctas. Tive essa sensação quando estava a escrevê-las lá ao vivo.

Podem saber mais no  link deste projecto e ver a reportagem fotográfica.

RitaCare_BibliotecaViva_MMar_Jaws,_Cascais2017 (1) _ 1200
A Varina
RitaCare_BibliotecaViva_MMar_Jaws,_Cascais2017 (2) _ 1200
O Pescador
RitaCare_BibliotecaViva_MMar_Jaws,_Cascais2017 (3) _ 1200
A Antropóloga e Directora do Museu do Mar