#VirtualJumpSketch com #SNHangout MOCA Museum

Mais um um Virtual Jump Sketch  com o Sketch Note Hangout , desta vez ao MOCA Museum, Tailândia

#VirtualJumpSketch & SNHangout ao Museu Guggenheim, NY

O Sketch Note Hangout está de volta! E fiz um Virtual Jump Sketch ao Museu Guggenheim, em Nova Iorque, com mais outros 25 companheiros de rabiscos de ideias.

 

Dos Desenhos e do Lego | Até onde nos vai levar a Curiosidade?

SN - Curiosidade by Rita Care - Out2018

O Dia Aberto do Instituto Gulbenkian de Ciência 2018 teve como desafio aos visitantes a reflexão sobre até onde nos vai levar a Curiosidade?

A Curiosidade é uma das características mais marcantes dos mamíferos, sobretudo dos “grandes”, nos quais cabem os seres humanos.

Acho muito estranho quando percebo que as pessoas não mostram qualquer curiosidade sobre determinado tema relacionado com a sua própria vida prática do dia-a-dia. Já não acho tão estranho que não mostrem qualquer curiosidade pelas actividades e temas que me chamam a atenção…

Tenho muito mais tempo para pensar nas questões que me assolam o pensamento, a todas as horas, do que a maioria das pessoas, porque têm família logo ali e/ou passam o tempo vidradas nas horríveis novelas e telejornais que passam na televisão, tornando-se dormentes aos acontecimentos aos quais estão a assistir.

Os pensamentos e as ideias “assolam-me”, porque me sinto totalmente imersa neles, de tal forma que sinto uma desesperada necessidade de desenhar para os parar dentro de mim.

Lego Clássico, Escultura, Desenho, Rabiscos de Ideias, Florestas, Céu

Reflectindo no exercício de tricotar para manter as mãos ocupadas e por sua vez também a mente, lembrei-me de comprar uma caixa de Lego Clássico para esculpir peças abstractas, tendo a certeza que dessa forma conseguiria ocupar o cérebro através do uso das mãos, tal como o fiz durante muito tempo com as aguadas abstractas de aguarela.

Are you curious? É curiosa? É curioso?

Foi assim que chamei a atenção dos FotoSketchers 2 Linhas para os desafiar a aprender coisas novas e o interessante que se faz no Instituto Gulbenkian de Ciência, em Oeiras, no passado dia 13 de Outubro.

Apontamentos Desenhados do meu Perfil Profissional e não só…

Perfil rabiscado (actualização Agosto 2019)

Os Rabiscos de Ideias entraram na minha vida há quase dois anos. Um belo dia pûs-me a pesquisar informação sobre infografias. E de repente fui dar com o Doug Neill e o seu projecto “Verbal To Visual”, que é cada vez mais uma escola internacional de Rabiscos de Ideias. A minha história Verbal To Visual continua em baixo.

Depois desse tempo nas andanças dos rabiscos de ideias, apareceu a oportunidade de conhecer muitos dos sketchnoters que sigo na Internet. Onde? Em casa! Em Lisboa, durante o SketchNote Camp 2018! :D

Essa conferência pode ser seguida nas várias redes sociais através das hashtags: #isc18lx e/ou #ISC18LX

Tal como diz o Doug Neil, “Let’s give it a try to #SketchNotes“.

Os inscritos foram convidados a enviar o seu perfil para o livro da conferência. E daí surgiu este Rabisco de Ideias da minha vida profissional e académica até Setembro de 2018.

I’m Rita Caré, my nickname  is @ritacarepapiro at Facebook, Twitter  & Instagram  and my favourite hashtag is #RabiscarIdeias

 
 
Rabiscos de Ideias - Perfil de Rita Care - Set 2018 - Comunicacao Ciencia - SciComm
Perfil rabiscado (versão de Setembro de 2018)
 

Identifiquei-me imediatamente com o Doug Neill do Verbal To Visual, porque para além de explorar o desenho de uma forma totalmente diferente da minha, ele tem formação científica. Foi um professor frustrado com o sistema norte americano do ensino básico e secundário. Então, pôs as mãos na massa e ao longo dos últimos cinco anos montou uma escola deste tipo de desenho que explora os conceitos (conhecido por sketchnotes, visualnotes, rabiscos de ideias, apontamentos desenhados, pensamento visual ou reportagem gráfica, etc…).

O Doug produz os seus materiais para todos, mas tem uma tendência muito grande para ir de encontro às necessidades que os professores têm (embora a maioria nem sequer saiba disso) e para os incentivar a utilizar esta ferramenta com os seus alunos.

Imaginem isto no contexto mítico e terrível de que se estamos a desenhar é porque não estamos atentos e de que “eu não sei desenhar nem nunca saberei”.

Os meus rabiscos de ideias estão já por aqui meio desarrumados sob as categoria Papiro Gráfico e Reportagem Desenhada.

Se tem interesse em conhecer as minhas histórias de vida, pode ler o meu resumo e o meu perfil escrito por Carolina Lobão Figueira.

SketchNotes | Seminário sobre a EU-Life

Rabiscos de Ideias (*)

EU-Life Initiatives on Research Organization and Science Policy”

por Marta Agostinho

Seminário no Instituto Gulbenkian de Ciência​

A Marta é coordenadora da EU-Life, uma aliança de 13 centros de investigação Europeus da área das ciências da vida. A EU-Life apoia e promove a investigação científica de excelência e a voz da investigação nas decisções políticas da União Europeia.

O seminário foi muito interessante nos vários tópicos abordados, nomeadamente nas chamadas áreas de gestão, comunicação e diplomacia em Ciência. Escrevi muitos (mesmo muitos) apontamentos e decidi dar destaque à informação aqui partilhada.

Clicar nas imagens

Gostei mesmo muito de trabalhar com caneta branca!

(*) Quaisquer erros ou confusão de interpretação das mensagens passadas nas minhas notas visuais são da minha exclusiva responsabilidade.

1ª Reportagem Gráfica com Ciência | Peixes também precisam de amigos!

1ª Reportagem Gráfica com Ciência
Os Peixes também precisam de amigos!

Ler Comunicado do IGC – PT Read IGC Press Release – ENG

Equipa de cientistas do Instituto Gulbenkian de Ciência, do ISPA – Instituto Universitário, e da Fundação Champalimaud, demonstraram que os peixes-zebra precisam de suporte social para ultrapassarem situações adversas. Ou seja, os peixes-zebra precisam de amigos para viverem a vida com maior qualidade quando se vêem perante alguma ameaça.

Esta investigação sugere que a espécie de peixe-zebra é assim um modelo biológico de eleição para estudar comportamentos sociais e os mecanismos neurais subjacentes.

Ana Faustino explicou que “Apesar do comportamento de suporte social do peixe-zebra não ter a complexidade do suporte social verificado em humanos, a investigação em peixe-zebra vai permitir-nos explorar em profundidade os mecanismos neurais envolvidos neste comportamento social tão central para o bem-estar e saúde mental humana, nomeadamente pela relevância que assume em determinadas doenças psicológicas, como é o caso da depressão”.

O artigo científico no qual este tema foi explorado está publicado na revista Scientific Reports.

Ler o comunicado de imprensa completo do IGC em Português.
Read the full version of IGC press release in English.

Reflexão / Auto-crítica:

  • Esta reportagem não demorou muito tempo a criar, porque o comunicado do IGC explica muito bem os pontos chave relacionados com a investigação, o que permitiu que a estrutura desta reportagem seja bastante simples.
  • Inspirei-me nos peixes da aguarela publicada com o comunicado, que é belissima.
  • Preciso de continuar a praticar, a praticar, a praticar a escrita à mão, que no tablet ainda é um desafio maior.
  • Estou muito feliz com esta reportagem gráfica! :D

NOTA ADICIONAL

Esta imagem teve mais de 3000 visualizações na minha Página do Facebook em poucas horas, após o IGC a ter partilhado na sua própria página. Isso foi muito motivador para mim e por isso considero os Rabiscos de Ideias cada vez mais importantes para mim e para quem os pratica e divulga.

Reportagem Gráfica - Os Peixes também precisam de Amigos
Reportagem Gráfica – Os Peixes também precisam de Amigos

Aviso aos Visitantes | Blog Papiro Gráfico vem para aqui

Há algum tempo comecei a explorar uma “coisa” chamada “Sketchnotes“, que é o mesmo que dizer esquiços de conceitos, pensamento visual ou assim… Gosto de lhes chamar Rabiscos de Ideias. Nessa exploração, criei um outro blog, o Papiro Gráfico – Pensamento Visual | Repórter de Histórias Visuais.

Rita Caré - Ainda não acabei de pensar nisso... 22 Nov 2017

Mas, não me apetece nada ter outro blog para gerir. Também tenho a sensação que isso não faz sentido, porque sou um todo no Desenhar. Desde os 20 ou 21 anos, quando aprendi a desenhar, tenho desenhado menos ou mais, consoante as fases da vida. Adoro desenhar e pintar, explorando muitas técnicas e objectivos diferentes. Também desenho na mente, ou seja, olho para qualquer coisa e penso como a poderia desenhar, mesmo que depois não crie algo visível. Isto tornou-se um vício com o Urban Sketching. Também desenho para pensar. E é aí que entram os rabiscos de ideias.

Pensamento Visual . Reportagem Gráfica| by Rita Caré @ Papiro Gráfico 2017

Assim, tal como o Urban Sketching tomou conta deste blog depois da aguarela em abstracto ter aqui vivido tanto tempo, agora vou incluir os meus Rabiscos de Ideias nesta casa.

Peço desculpa, mas nos próximos tempos irão receber muitos avisos de que foi publicado aqui um post  que talvez já conheçam e com uma data antiga. É que planeio publicar todos os posts do Papiro Gráfico aqui mesmo, numa secção com este mesmo nome, onde ficarão todos arrumados,  nesta que é a minha casa online há mais anos. Há quase 11. O tempo deste blog passou como o tempo do desenhar, quase que não dei por tantas horas, meses, anos aqui metida.

Não é só o desenhar. Sou blogger de Alma. Podem não saber disso, pode não vos parecer, mas escrever é para mim ainda mais importante do que desenhar. Sou teclado-dependente. As histórias são o mais importante. Todos os desenhos têm uma história para contar, mesmo que nunca venha a ser conhecida publicamente. Reescrevê-las 20 vezes antes de clicar no “publicar” ou mais ainda, ou já depois de publicadas e muito divertido e o mais importante me tornar mais Clara, a mais dificil de todas as tarefas.

Para seguir os Rabiscos de Ideias aqui cliquem no link do projecto Papiro Gráfico

Um mês, um mês muito difícil, UM RECOMEÇO

Rita Care - 1 Mes - Dez2017-Jan2018 (1)

Desde o Verão de 2017, a vida tem sido muito difícil, porque o corpo estava gravemente doente desde há muito mais tempo. Contudo, em Junho de 2017 tornou-se insuportável. A recuperação contínua e não sei se alguma vez mais saberei o que é viver sem Dores. Mas desde há muitos anos, por causa das enxaquecas devido a crises terríveis de sinusite e rinite não deixo que o meu corpo comande o que quero muito fazer. Pelo menos tento. Não é uma vontade racional. É a minha mente que manda mais do que eu. Sei lá, se calhar é o instinto de sobrevivência. Às vezes tenho de racionalmente obrigar-me a ficar parada do corpo e também da cabeça, somente a olhar para uma parede branca, para o mar, para um relvado, para as flores…

Este caderno foi produzido pela Marilisa Mesquita, com grande carinho e  propositadamente para a “viagem” que ambas sabíamos que eu ia ter que fazer. É A6 e não é um “Caderno” clássico, mas em harmónia, concebido para ser leve, mas para pintar aguarela se me apetecesse. Ela produziu 4 destes cadernos muito compridos.

Clicar para ver as imagens em sistema de carrossel
e na setas para avançar ou para voltar atrás

 

Estes desenhos foram feitos no espaço de um mês, de Dezembro de 2017 a Janeiro de 2018. Do primeiro desenho ao segundo há um intervalo de três semanas… Tem de tudo, desde urban sketching (desenho de observação no local), sketchnoting (rabiscos de ideias) a desenho por fotografia e a desenho de memória, a aguarela, lápis de cor e guache. O primeiro desenho foi feito no quarto do hospital, antes da cirurgia, e os restantes foram feitos em Vila Franca de Xira, em casa da família ou na rua.

Este é um caderno muito importante, porque marca um tempo de RENOVAÇãO. A vida jamais será a mesma. Terá que ser LENTA e LEVE. Mas esta viagem tem sido feita sempre acompanhada por Família e Amigos muito queridos que, ao longo dos dias e através das incríveis tecnologias para smartphone não me deixaram esmurecer,  trazendo-me para cima nos dias mais dolorosos.  Essas pessoas sabem quem são :)

Estou a reeinventar-me e isso é mesmo muito bom. Sentia há muito que tinha que mudar e não sabia por onde ir. A vida aponta-me caminhos aqui e ali e vou estando atenta e tomando as minhas decisões consoante as oportunidades que surgem. Estou viva e caminho. Agora parece mesmo um milagre criado pela alta tecnologia e conhecimento médico. Há 5 ou 10 anos atrás talvez estivesse numa cadeira de rodas. É brutal, não é? É, mas eu estou mesmo viva e aqui a andar pela rua e a emagrecer muito para melhorar lentamente o meu Viver. É a terceira vez que a Medicina me salva a vida em 41 anos. Obrigada Deus por inventares as mãos, o desenho, a escrita, o cérebro humano e a Medicina e a Tecnologia do séc. XXI.

Durante aquele mês, deitada na cama a olhar para o tecto imaginei o projecto Salto Virtual (#VirtualJumpSketch). Demorei quase três meses a pô-lo em prática, mas pûs e estou muito orgulhosa de todos os que nele têm participado. É incrível o grande Salto que deram na sua forma de desenhar!

Este post é publicado, por acaso, noutro dia (5 de Abril de 2018) muito marcante e espero que seja o primeiro dia de uma viagem extraordinária que, se correr bem, será partilhada nos próximos tempos.

Pensamentos +++

A Miúda dos Abraços regressou Reformulada para Abraçar a Vida a Sorrir

Rita Caré, 41 anos

 

 

 

 

 

Participação em projecto Sketchnoting in Therapy #Sketchnote4Good

#Sketchnote4Goodv

Participei com Rabiscos de Ideias no guia de dicas sobre #RabiscarIdeias em Terapia para a Child and Adolescent Mental Health (Austrália).

Icon & Sketchnote Challenge October 2017 Edition ‘Sketchnoting in Therapy’ #Sketchnote4Good

Conteúdos:

  • Pag. 1 Child and Adolescent Mental Health icons
  • Pag. 2 ‘Enjoy a mindful practice’ sketchnote exercise
  • Pag. 3 Tips for using SNchallenge in therapy and three examples of completed page 1 icons

Este guia faz parte do projecto Sketchnote Hangout, coordenado pela Makayla Lewis

Download do guia do mês de Outubro de 2017
Este guia específico é GRATUITO

Novo Logo | Define-te Rita… – Prefiro desenhar-me…

Logo – Papiro Gráfico | Ainda não acabei de pensar nisso…

Fui entrevistada por uma aluna do Mestrado de Comunicação de Ciência, para a disciplina de Jornalismo de Ciência e Tecnologia. A Carolina Figueira tem que escrever o meu perfil. Estivemos bastante tempo à conversa sobre o meu passado, o que tenho feito na Vida por aí. Ela vai falar com algumas pessoas muito importantes da minha vida pessoal e profissional para compor o seu trabalho.

Durante a entrevista, a Carolina pediu-me para eu me definir. Respondi-lhe que preferia desenhar-me! Fiz um desenho muito à pressa e muito feio no caderno dela. Vim para casa pensar nisso e hoje de manhã criei este desenho digital que é o novo logo para o meu novo projecto Papiro Gráfico – Pensamento Visual de Ideias, que tem andado ainda mais quieto do que o Papiro papirus , mas isso vai mudar em breve.

NOTA – Este texto foi publicado em 11 de Janeiro de 2018, Dia Mundial dos Rabiscos de Ideias (World SketchNote Day), apesar de ter sido publicado em 27 de Novembro de 2017.

Vídeo | Desenhemos! Para comunicar, educar/aprender e ter saúde

Neste vídeo o cartoonista Jorge Arranz encoraja-nos a desenhar mesmo que não sejamos necessariamente artistas. Explica porque devemos ser educados a desenhar, tal como a falar e a escrever. E anda defende que o desenho faz bem à saúde e ajuda a recuperá-la.

VALORES DO DESENHO

1 – Comunicar
2 – Educar / Aprender
3 – Terapia / Melhorar a saúde

Em modo “medíocre” explicado tim-tim por tim-tim…

O Doug Neill publicou hoje um post sobre o sentimento de mediocricidade e o real sentido da palavra. Vamos a meio do caminho, portanto… quer dizer o meu caminho é muito mais que meio.

Identifico-me muito com o tema explorado. No meu caso tenho andado a sentir-me desmotivada e sem energia para dar continuidade aos meus projectos.

No meio do caminho encontramo-nos com muitas dificuldades, algumas delas têm a ver com uma auto-sabotagem que leva à procrastinação… Quem deseja que os dias tenham grande significado prático candidata-se a deparar-se com esta “Mediocricidade” que o Doug explora a partir do livro do Todd Henry “Die Empty”.

Estão a ver aquele poema do Fernando Pessoa, “Pedras no Caminho”…? Era bem rabiscado a propósito de construir castelos, os nossos… Perder-nos do caminho e do caminhar faz parte do ir e do aprender construindo.

Já venho… de Bruxelas

 

Rita Care - Aeroporto Lisboa - Tap - 16mai2017
Rabiscos à espera… não bastou inventar as rodas de trás, esqueci-me das da frente…

Rabisquei em terra e pintei a voar.

Rita Care - Pt - Belgium - 15mai2017
Está um caloraço em Bruxelas!! Nada de chuva…

 

Reportagem Desenhada | Conversas sobre o Indizível nos Museus

Clicar nas imagens para abrir

 

Reportagem Desenhada
Conversas sobre o Indizível nos Museus
| Publicado em XZibit Art |

Como se diz o indizível nas exposições e nas colecções de museus? Que histórias são essas? O que fica por dizer? Pode-se ou deve-se dizer tudo sobre um objecto ou sobre uma personalidade histórica? Que abordagens são utilizadas para contar o indizível? Estas eram algumas das questões que pairavam no início do mais recente debate da Acesso Cultura, organizado no Museu do Dinheiro, no passado dia 18 de Abril de 2017.

A Acesso Cultura quis assim lançar a reflexão sobre o tema escolhido para o Dia Internacional dos Museus a celebrar-se um mês depois, em 18 de Maio: “Museus e histórias contestadas: dizer o indizível em museus”.

Ao longo da conversa, animada e em tom informal, participaram convidados de alguns museus Portugueses: Clara Vaz Pinto e Xénia Ribeiro do Museu Nacional do Traje; José Pedro Sousa Dias do Museu Nacional de História Natural e de Ciência; Luís Farinha do Museu do Aljube; Maria José Machado Santos e Marta Guerreiro do Museu da Marioneta; e Sara Barriga do Museu do Dinheiro. O debate foi moderado por Ana Rita Canavarro, Museóloga.

Luís Farinha destacou que o indizível no Museu do Aljube – Resistência e Liberdade é, por exemplo, o silenciamento e o secretismo das histórias de humilhação, clandestinas e abstractas de presos políticos da época da Ditadura Salazarista e que ainda estão vivas. Neste museu o indizível é explorado, por exemplo, através de conversas e visitas guiadas.

No Museu da Marioneta existe uma grande dificuldade em expor os objectos, pois as marionetas são construídas para serem utilizadas por actores facilitadores dos seus movimentos e em contexto de peças de teatro ou performances, explicou Marta Guerreiro. Expor uma marioneta pode ser visto como um contra-senso em relação à sua natureza, não devendo ser exposta como um ser inanimado.

Indizível é também a dificuldade dos museus em comunicar com os visitantes em exposições sobre temas científicos, chamou a atenção José Pedro Dias. Ainda neste contexto, Luís Farinha destacou a dificuldade em fazer compreender aos visitantes a violência física e emocional sentida pelos presos políticos.

Alguns dos convidados defenderam a necessidade dos museus tomarem uma posição, ou seja, de não serem neutros em relação a temas específicos, e também de criarem desconforto nos visitantes, abordando memórias e conflitos dolorosos. Consideraram ainda que os museus podem contribuir para a compreensão mútua e para a reconciliação, mesmo que não criem consensos.

Questionada sobre qual a relevância de “dizer o indizível” do ponto de vista da Acesso Cultura, Maria Vlachou (Directora Executiva) destacou que “É mesmo uma questão de relevância: a relevância dos museus para as pessoas. Cada história que não se diz é uma pessoa a quem não é dado reconhecimento. Esta questão do indizível diz respeito a vários aspectos do trabalho dos museus: às suas colecções, ao que lá está e não está, ao que se mostra e não se mostra, à forma como se interpreta cada objecto, ao perigo das “histórias únicas” (no sentido das versões únicas), às relações que se criam ou não se criam com as pessoas, ao seu envolvimento ou à sua exclusão.”.

A Acesso Cultura é uma associação sem fins lucrativos que tem como missão a melhoria das condições de acesso – físico, social, intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural. Maria Vlachou acrescentou ainda: “Não há condições de criar acesso se não se procura ser relevante na vida das pessoas. Se não se for relevante, podemos muito bem perguntar: Acesso a quê? Para quê?”

A sessão foi traduzida em Língua Gestual Portuguesa por Maria José Almeida, com o apoio da Escola Superior de Educação de Setúbal.

Desenho e texto: Rita Caré
NOTA
O resumo deste debate,
que aconteceu em diferentes cidades em simultâneo,
está disponível AQUI

Reportagem Gráfica | Conversas sobre o Indizível nos Museus

Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré
Conversas sobre o Indizível nos Museus | Reportagem Desenhada por Rita Caré

Clicar nas imagens

Reportagem Desenhada Conversas sobre o Indizível nos Museus | Publicado em XZibit Art |

Como se diz o indizível nas exposições e nas colecções de museus? Que histórias são essas? O que fica por dizer? Pode-se ou deve-se dizer tudo sobre um objecto ou sobre uma personalidade histórica? Que abordagens são utilizadas para contar o indizível? Estas eram algumas das questões que pairavam no início dmais recente debate da Acesso Cultura, organizado no Museu do Dinheiro, no passado dia 18 de Abril de 2017.

A Acesso Cultura quis assim lançar a reflexão sobre o tema escolhido para o Dia Internacional dos Museus a celebrar-se um mês depois, em 18 de Maio: “Museus e histórias contestadas: dizer o indizível em museus”.

Ao longo da conversa, animada e em tom informal, participaram convidados de alguns museus Portugueses: Clara Vaz Pinto e Xénia Ribeiro do Museu Nacional do Traje; José Pedro Sousa Dias do Museu Nacional de História Natural e de Ciência; Luís Farinha do Museu do Aljube; Maria José Machado Santos e Marta Guerreiro do Museu da Marioneta; e Sara Barriga do Museu do Dinheiro. O debate foi moderado por Ana Rita Canavarro, Museóloga.

Luís Farinha destacou que o indizível no Museu do Aljube – Resistência e Liberdade é, por exemplo, o silenciamento e o secretismo das histórias de humilhação, clandestinas e abstractas de presos políticos da época da Ditadura Salazarista e que ainda estão vivas. Neste museu o indizível é explorado, por exemplo, através de conversas e visitas guiadas.

No Museu da Marioneta existe uma grande dificuldade em expor os objectos, pois as marionetas são construídas para serem utilizadas por actores facilitadores dos seus movimentos e em contexto de peças de teatro ou performances, explicou Marta Guerreiro. Expor uma marioneta pode ser visto como um contra-senso em relação à sua natureza, não devendo ser exposta como um ser inanimado.

Indizível é também a dificuldade dos museus em comunicar com os visitantes em exposições sobre temas científicos, chamou a atenção José Pedro Dias. Ainda neste contexto, Luís Farinha destacou a dificuldade em fazer compreender aos visitantes a violência física e emocional sentida pelos presos políticos.

Alguns dos convidados defenderam a necessidade dos museus tomarem uma posição, ou seja, de não serem neutros em relação a temas específicos, e também de criarem desconforto nos visitantes, abordando memórias e conflitos dolorosos. Consideraram ainda que os museus podem contribuir para a compreensão mútua e para a reconciliação, mesmo que não criem consensos.

Questionada sobre qual a relevância de “dizer o indizível” do ponto de vista da Acesso Cultura, Maria Vlachou (Directora Executiva) destacou que “É mesmo uma questão de relevância: a relevância dos museus para as pessoas. Cada história que não se diz é uma pessoa a quem não é dado reconhecimento. Esta questão do indizível diz respeito a vários aspectos do trabalho dos museus: às suas colecções, ao que lá está e não está, ao que se mostra e não se mostra, à forma como se interpreta cada objecto, ao perigo das “histórias únicas” (no sentido das versões únicas), às relações que se criam ou não se criam com as pessoas, ao seu envolvimento ou à sua exclusão.”.

A Acesso Cultura é uma associação sem fins lucrativos que tem como missão a melhoria das condições de acesso – físico, social, intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural. Maria Vlachou acrescentou ainda: “Não há condições de criar acesso se não se procura ser relevante na vida das pessoas. Se não se for relevante, podemos muito bem perguntar: Acesso a quê? Para quê?”.

A sessão foi traduzida em Língua Gestual Portuguesa por Maria José Almeida, com o apoio da Escola Superior de Educação de Setúbal. Desenho e texto: Rita Caré Publicado originalmente em XZibit Art 

NOTA O resumo deste debate, que aconteceu em diferentes cidades em simultâneo, está disponível AQUI

Qual é coisa qual é ela…?

Rita Care - Sketchnote 1 Idea - 28Apr2017 - 1200

Qual é coisa qual é ela que estou a perguntar? E qual é a resposta?

Qual é a maior invenção da Humanidade? A Expressão Simbólica!

Aqui está uma segunda proposta.

Rita Care - Sketchnote 1 Idea - VtV -v2 2017 - 1200

Proposta de Doug Neill | Webinar do Verbal To Visual: Rabiscar uma única Ideia

Crónica Desenhada | Conversas sobre Panfletária e Liberdade

Crónica Desenhada | Conversas sobre Panfletária e Liberdade por Rita Caré
Conversas sobre Panfletária e Liberdade por Rita Caré (clicar na imagem)

Crónica Desenhada
Conversas sobre Panfletária e Liberdade
| Publicado em XZibit Art |

No final de março, com a aproximação às celebrações do Dia Português da Liberdade, o 25 de abril, a proposta para Desenhar Conversas sobre “A Liberdade e a Arte Panfletária”  soava tentadora.

A Oficina do Desenho – Associação Cultural (OD), em Cascais, convidou Pedro Afonso e Alexandre Bordalo para falarem e refletirem sobre o tema e sobre o seu trabalho, em convívio com os presentes na sessão. Afonso é artista plástico e ilustrador. Bordalo é fotojornalista. As conversas foram moderadas por Rui Aço, artista plástico e Presidente da OD.

“A Liberdade nem sempre é veiculada pela Arte Panfletária!” avisava-nos o anúncio destas conversas. Tem sido usada como meio de comunicação para a denúncia, através da sátira e da ironia, mas também para manipular os povos através de propaganda política e religiosa.

Conversou-se sobre a liberdade, ou não, de expressão e sobre o papel mais ou menos relevante da Arte Panfletária na sociedade ao longo do tempo, desde o século XVIII, através de pintores, poetas, muralistas, arquitetos e outros artistas. Rui Aço lançou o tema através da abordagem à Fábula do Pássaro Bisnau e ao trabalho de diversos autores Portugueses e de outros países. Entre eles, Almada Negreiros, Delacroix, Siqueiros, Zeca Afonso, Ary dos Santos, Sartre, entre outros.

Os convidados e também o moderador têm grande e prolongada experiência profissional e de vida, o que ficou bem vincado pelas opiniões partilhadas e pelas histórias contadas. Pela noite dentro, cada um dos presentes bebeu chá e desenhou em toalhas de papel de mesa, o que lhe ia na alma, fosse abstrato ou realista, tivesse, ou não, a ver com o tema conversado. A Liberdade para Desenhar não tem limites.

“Conversas Desenhadas” é uma proposta bimensal da Oficina do Desenho – Associação Cultural, em Cascais. Aguardemos, pois, pela proposta com que nos brindará em maio de 2017.

Desenho e texto: Rita Caré

Manifesto | Rabiscos de Ideias

Manifesto Rabisco de Ideias por Rita Caré - Repórter Grafico PT
Manifesto Rabisco de Ideias por Rita Caré – Repórter Grafico PT

Um Manifesto para Rabiscadores de Ideias ou Pensadores Visuais

Adaptação da versão de Rizwan Javaid aka Sketching Machine por Rita Caré aka Papiro Gráfico

15 Abril 2017 – Feliz dia do Desenhador!

  • Rabiscar Ideias é para toda a gente. Tem ideias? Então as notas visuais ou rabiscos de ideias (ou sketchnote / sketchnoting como é mais conhecido em Inglês) são para si.
  • Todas as pessoas conseguem rabiscar ideias. Sim, incluindo-o(a) a si!
  • Rabisque ideias todos os dias. A consistência nas notas visuais é a chave para evoluir.
  • Rabiscar ideias pode ser uma actividade individual ou em grupo. Compreenda quando precisa de o fazer sozinho ou com outros.
  • Para rabiscar ideias só precisa de uma caneta e papel. Não tem a ver com as ferramentas usadas, mas com as ideias comunicadas.
  • Tenha sempre consigo um caderno para desenhar notas visuais. Nunca se sabe quando tem uma ideia que precisa de clarificar com um desenho.
  • Use cores, destaques com marcadores, canetas de pincel, marcadores e experimente desenhar num tablet para criar notas visuais digitais.
  • Deixe-se ir na irregularidade das suas notas visuais. As imperfeições dos rabiscos de ideias criados à mão são o que os torna tão especiais.
  • Inspire-se nos rabiscos de ideias dos outros. Dessa forma poderá evoluir nas suas notas visuais e com o tempo irá adquirir o seu próprio estilo. Para evoluir mais rapidamente evite utilizar software / apps que adaptam os seus desenhos (por exemplo, tornam os círculos mais circulares e as linhas rectas mais direitas).
  • Nunca subestime o poder das notas visuais ou rabiscos de ideias. Comunicar ideias é conseguir clarificar e partilhar o pensamento. Rabiscar Ideias é Poder.
  • Não rabiscar as suas ideias é um risco para a clarificação do pensamento.
  • Não tem a ver com desenhar nem com criar arte! Não vai receber prémios pelos seus rabiscos, mas poderá receber prémios pelas suas ideias.
  • Aproveite o poder das ideias rabiscadas. Use as suas notas visuais para idear, repetir, recriar e comunicar.
  • Rabiscar ideias e criar notas visuais é compreender. Se rabiscar uma ideia, então compreenderá e explicará claramente o seu pensamento.
  • Divirta-se, rabiscando ideias!

Este Manifesto para Rabiscadores de Ideias é uma adaptação de uma proposta de Rizwan Javaid | Sketching Machine, ao qual agradeço o feedback.

Texto de Rita Caré | Papiro Gráfico