Piolha | Das Decisões por causa de um cão

Escolhi aquele quarto, porque na casa habita uma cadela. Escolhi-a mesmo antes de ter a certeza se gostaria de mim, eu dela e eu da casa, tornada Lar durante algumas semanas devido à Vida em remodelações.

A Piolha é muito simpática e tem donos também muito simpáticos, os três a viverem numa casa sempre a cheirar bem. Sempre! E com um jardim lindo!

Já se sabe que se o tema dos meus rabiscos me faz sentir bem, os rabiscos saem ao meu gosto. É o caso deste desenho digital com base em foto tirada quando a Piolha implorava por um pedacinho do meu pão.

Estou a achar muito interessante esta renovada fase de usar fotografias para me inspirar. Fiz tanta resistência durante mais de um ano, mas como preciso de apoio para praticar desenho digital, vou-me rendendo ao uso de fotografias. É uma técnica totalmente válida, como qualquer outra, e faz falta usar, porque é importante sobretudo para iniciados, tal como eu sou na exploração do digital. Esta resistência tem estado relacionada com a coisa que é o vício no urban sketching (desenho ao vivo no local) ao longo de muitos anos.

P.S. Tantas saudades do Freddie Mercury… tantas

Newsletter | Renovações, Cor e Azuis, Ramsés, Políticas Culturais

. Insónias produtivas e criativas
. Obras e remodelações
. O azul passou do tecto para o chão da cor dos mares tépidos
. A relevância da cor… terapêutica
. Será que é a partir de agora que me torno seriamente minimalista?
. Bola Amarela para satisfazer a paixão pelo Ténis
. Muitas sugestões de leitura para pensar Políticas Culturais
. Colecção de romances históricos “Ramsés” de Christian Jacq
. Azul-esverdeado e Azul-petróleo
. Um candeeiro com histórias da Avó
. Gestão cultural e desobediência civil… que tentação
. Divulgação de Ciência no Dia Aberto do ITQB 2019
. Liz desejo-te uma família para sempre…

Ler a Nova Newsletter Papiro papirus – Ainda não acabei de pensar nisso

Subscrever para receber via e-mail 
Edições anteriores

Newsletter | Há 20 anos aprendi a desenhar & 10 anos de Urban Sketchers

Os Urban Sketchers Portugal comemoram o seu 10º aniversário. Ando há 10 anos a rabiscar ao vivo pela rua e por espaços culturais. Não foi um processo fácil, porque dispormo-nos a fazê-lo publicamente sob o olhar dos transeuntes é difícil, mas estando em grupo torna-se mais leve. Em 2013, fui passar um fim-de-semana com os sketchers a Elvas e outro a Castelo Branco e integrei-me de vez. Desde então, enchi muitos cadernos de desenhos e de memórias maravilhosas e organizei bem mais de 100 encontros.

O urban sketching pode trazer muito mais do que desenhos em cadernos. Para além do prazer enorme no próprio acto de desenhar, de o fazer muito melhor com a prática, vários outros aspectos fantásticos aconteceram: amizades que se foram instalando e crescendo com pessoas bem diferentes do habitual até então; a descoberta pela paixão de organizar eventos e promover o encontro entre pessoas com um objectivo comum; o desejo de partilha do que aprendi pelo caminho, que me chamou para a organização de workshops para “quem acha que nunca saberá desenhar e pintar”.

Desenho concretizado para celebrar 10 anos de USkP. 
Árvores e roupa estendida são dos meus temas preferidos!

Para ler o meu texto celebrativo completo, clicar AQUI.

Estendi-me ainda por outros temas paralelos e perpendiculares e diagonais ;-)

. Fascínio por espaços culturais, sobretudo Museus, e por os explorar como visitante
. O Urban Sketching mudou a minha forma de Viver
. Keri Smith, autora de “Destrói este diário”, e os seus livros
. A celebrar este blog Papiro papirus – Rabiscos e Aguarelas
. Rabisco, essa palavra fascinante que adoro usar no meu “linguajar” próprio
. Alguns dos desenhos de Elvas que mudaram a minha forma de estar nos Urban Sketchers Portugal e nos rabiscos
. Muitos desenhos dos 10 anos dos Urban Sketchers Portugal

Ler a Nova Newsletter Papiro papirus – Ainda não acabei de pensar nisso

Subscrever para receber via e-mail 
Edições anteriores

Newsletter | Do maravilhoso que é Sonhar Acordado, Serendipidade, 12 anos depois…

. Sonhar acordado
. A importância de estarmos melhor preparados para sermos Cidadãos Digitais
. As Histórias que as árvores antigas nos podem contar e a suposta mais antiga da Europa
. Cosmos, o livro e as séries de divulgação científica sobre a Terra, o seu contexto na nossa galáxia, o Universo…
. O melhor da Vida tem-me acontecido por Serendipidades positivas
. Este blog já tem 12 anos
. Literacia financeira rabiscada para melhor compreendermos algumas nerdices do dia-a-dia
. Desenhos para rotinas que nos ajudam a ter melhores dias
. Explorem actividades mais acessíveis na Agenda Especial “Cultura Acessível”
. Uma cadela adulta e educada para donos que precisam de calma

Ler a Nova Newsletter Papiro papirus – Ainda não acabei de pensar nisso

Subscrever para receber via e-mail 
Edições anteriores

Newsletter | Forky, prioridade aos SketchNotes, Anatomia em Lego, FS 2´´ em Cascais amanhã…

. Cão e Árvore abstracta Lego
. Forky, um herói com dúvidas existenciais
. Prioridade aos rabiscos analógicos na fase inicial de projectos
. Crónicas de livros viajantes
. Como bem usar canetas-de-feltro
. Trevo
. Vamos amanhã desenhar para Cascais com Vela
. Anatomini e a História da Lego
. O papel político das organizações culturais

Ler a Nova Newsletter Papiro papirus – Ainda não acabei de pensar nisso

Subscrever para receber via e-mail 
Edições anteriores

1 Set | Encontro de Fotos e Rabiscos de barcos à vela, Cascais

Rei D. Carlos I, Cascais

O próximo encontro do grupo FotoSketchers 2 Linhas é na Marina de Cascais, com o ponto de encontro a começar no Museu do Automóvel – Motor Passion Museum, com paragem na estátua do Rei D. Carlos I e partilha à porta da Livraria Dejá Lu, dentro da Cidadela de Cascais.

Rei D. Pedro V, Cascais by Rita Caré 2019
Rei D. Pedro V, Cascais

Xico Cão e 20BricksTree – Mini esculturas de Lego

Estou mesmo muito feliz por ter redescoberto o Lego. Participei mais uma vez num desafio Lego: usar 20 apenas tijolos para criar mini esculturas.

Participei com uma peça que já andava por aí nas fotos. Tirei apenas a ponta negra do nariz e sobraram 20 peças em homenagem ao saudoso Xico Cão.

Criar esculturas abstractas de Árvores é das coisas mais maravilhosas moldar logo depois de fazer o mesmo com aguarela. =)

Quando não se é bem-vindo fica-se muito bem na rua em Belém

Sonhei com desenhos das lâmpadas em exposição no antigo Museu da Electricidade durante três ou quatro semanas e em desenhar o primeiro carro eléctrico em Portugal.

Mas isso não aconteceu, porque quando uma pessoa não se sente bem-vinda não deve ter problemas em “dar de frosques”. Ai não me deixam entrar com o banquinho dos rabiscos? Então, adeus!

Sobraram os pensamentos positivos, os riscos sorridentes e tagarelas. Não digam a ninguém, mas a falta dos cabos na Ponte 25 de Abril não foi obviamente de propósito ;-)


A passagem sucessiva de barcos à vela mesmo à nossa frente foi mote para desenho cego e de linha contínua. Um exercício muito livre, sempre com resultados agradavelmente surpreendentes.

E assim foi no último encontro dos FotoSketchers 2 Linhas no agora MAAT, que já foi o antigo Museu da Electricidade. Tiram-lhe o nome, adicionaram 5 euros à antiga exposição permanente (antigamente gratuita), na qual já não podemos entrar com a nossa mochila, nem de banquinho de rabiscos. Com tanta “fofura”, fiquei cá fora e muito melhor, porque me constou que lá dentro estava abafado. A EDP deve ter dificuldades em pagar a conta da electricidade, por isso nada de colocar ar condicionado. Deve ser para que os visitantes não fiquem lá dentro muito tempo no Verão…

Só me apetece dizer cenas que podem mesmo ser disparates e má língua, mas não consigo esperar coisas muito boas de um museu que se fez inaugurar e reinaugurar várias vezes… Se fizesse com que os visitantes se sentissem abraçados e bem-vindos, não precisariam de reinaugurações.

Nem sequer nos levantámos para ir ver a cara do edifício novo que parece a boca de tubarão… Não nos fez falta nenhuma.

Pronto, pronto, já passou… Mas não me apanham por aquelas bandas enquanto me lembrar disto que aconteceu.

Newsletter | + férias, Fazer “Nada” , Objectos que Voam, corta e cola… rabisca para pensar…

. Colas, tesoura e recortes para descansar a cabeça e refrescar a memória
. Fazer nada de Nada?
. Máquinas voadoras
. Da inutilidade de Ser
. Silêncio dEscrito
. Desafio Lego
. Caderno e Antropologia pensar Cultura
. Canetas e mais para esquerdinos
. Inscrições para conferência “O papel político das organizações culturais”,
. Liz, dá cá a patinha…

Ler a Nova Newsletter Papiro papirus – Ainda não acabei de pensar nisso

Subscrever para receber via e-mail 
Edições anteriores

No Museu do Ar a pairar…

Clicar nas imagens para ver maior

Tenho a impressão que a última vez que me senti emocionada assim, ao entrar num Museu, foi no Aquário Vasco da Gama, em 2016, onde não entrava há muitos anos. Emocionei-me … O Museu do Ar, no seu polo de Sintra, é um lugar cheio de ar em redor, no meio do campo. Adorei o logótipo no edifício. Depois dos modelinhos minúsculos, o que se vê é a Máquina Voadora de Da Vinci, os primeiros aviões – Lindos! – e um tecto alto cheio de ar.

Réplica de Máquina Voadora de Da Vinci . Museu do Ar

Talvez me tenha deixado arrebatar assim, porque na véspera da visita tive uma neura terrível (só explicável pelo teor de algumas conversas e de me ter deixado mergulhar numa crise pré-final das férias…). Enfim, que desperdício… ou que faz parte.

Instalação – Voo de João Torto, 1540

João Torto, enfermeiro, fez a primeira tentativa documentada para… voar da Sé de Viseu abaixo… Foi em 1540. Se calhar atirou-se com ajuda de “cenas” delirantes da sua “farmácia” ambulante. Aterrou de pé num telhado qualquer e de seguida fez o seu último voo direitinho para o Céu…

Réplica de 14 bis . Santos Dumont, 1906

Ainda estava nos feitos de Santos Dumont e fiquei sem bateria no telemóvel à terceira foto… Pânico! … Hummm… Após aquela reacção “sem pés-nem-cabeça” do tipo “que horror, estou despida!”, decidi que… “bem, afinal vim para DESENHAR!” =)

Passeei por ali adentro, ao lado e por baixo daqueles enormes e maravilhosos aviões e helicópteros. Passado poucos minutos dei com um grupo de turistas Brasileiros adultos =) a brincar de braços abertos a esvoaçar junto ao belo helicóptero de busca e salvamento, que actuou nos Açores em 1950-62. Entrei dentro de aviões (ou parte deles) até ao cockpit. Entretanto, parecia que estava num filme ao ouvir duas passagens de um avião real a voar: zzzzzzzzuuuuuuuuuuuuummm
zzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZZuuuuuuuuuuuuummmMMMMMMmmmm
O som parecia ser de um daqueles aviões com hélice à frente. Pelo menos foi o que o imaginei. Até o chão estremeceu.

Deixei-me invadir pela nostalgia nas exposições da TAP e da ANA, por causa de um workshop de rabiscos que organizei há uns anos no Museu do Design e da Moda, exactamente sobre os mesmos temas muito estéticos.
O primeiro simulador de voo Português parece um brinquedo para miúdos pequenos. Muito fofo!

No último hangar, dois aspectos chamaram o meu prolongado olhar:
– Pendurados estão muitos modelos a pairar! Senti-me verdadeiramente puxada a levantar voo para o tecto!
– Na entrada, está o avião do Comandante António Faria e Mello que se deslocava em cadeira de rodas. Fiquei muito impressionada… porque o piloto Português deu duas vezes a volta ao mundo em monomotor.

Quem é que não gosta de um espaço com um wc que cheira bem e que é amigo de pessoas baixinhas (nem só as crianças são baixinhas, há adultos também mínimos!)?

Com espanto e há uns dias descobri que o Museu está apetrechado com uma plataforma de visita áudio-guiada através de uma plataforma digital, ou seja uma app, que pode ser instalada gratuitamente nos nossos telemóveis para que possamos ouvir contar as histórias sobre cada um daqueles maravilhosos objectos. Confesso que ainda não experimentei, mas haveremos de lá chegar.

Legenda do 14 bis . Clicar para ler

As legendas não têm texto justificado à esquerda. E então? Paciência. São inclinadas para ajudar a leitura de pé, curtas e claras e foram simpaticamente impressas a branco com fundo escuro – muito adequado para um sítio com tanta luz natural. São fáceis de ler a uma boa distância. São fáceis de compreender!

Para ser um “museu de Pantufas“, precisava de ter uns sítios para as pessoas se sentarem aqui e ali a descansar as pernas, apreciando em simultâneo tamanhas Obras da Arte, da Ciência e da Tecnologia. Não são outra coisa, estas Máquinas Voadoras.

Sem espanto, entretanto, descobri que o Museu do Ar (Polos de Pêro Pinheiro – Sintra, de Alverca – Vila Franca de Xira e de Ovar) foi considerado o museu do ano 2013 pela Associação Portuguesa de Museus, foi escolhido em 2017 como o 5º melhor museu Português pelos utilizadores TripAdviser e está no Top 20 dos melhores museus do mundo no tema da aviação.

Porque nunca lá tinha ido?! Este é um Museu lindo, abraçado (não se incomodaram com o meu banquinho e com o meu estendal para rabiscos), Acessível e é mesmo para Pessoas variadas! <3
Em breve, o grupo FotoSketchers 2 Linhas irá organizar um encontro lá mesmo!! Vamos?

P.S. para nerds: Tese de Mestrado “Museu do Ar : contributo para um modelo de gestão e programação” (a explorar em breve…)