Rabisco da Costa da Caparica com vistas para Casa


Isto é um verdadeiro Rabisco. Alguns risquinhos por aqui e por ali com umas cores de canetas infantis. O que interessa é ser feliz com tudo o resto: as pessoas Giras, as ondas… os olhos fechados deitada nas rochas ao sol,
o calor do Inverno.

Aqui o Búgio dos nossos corações, rabiscado de mais um ângulo que acho que ainda não tinha guardado num caderno.

Os edíficios Palmeiras em Oeiras viam-se mesmo bem, porque em dias assim o ar é muito transparente. Ver o meu prédio lá mais atrás foi incrível… Quando me sinto assim aconchegada está na hora de ir embora para ficar com a sensação de que sempre Amei os sítios que escolhi. Já vivi em várias cidades e nunca gostei de habitar nenhum lugar como aqui, mesmo na fronteira Oeiras-Carcavelos, onde fiz o meu Abrigo há mais de 12 anos. É um pouco estranho viver nas Fronteiras e nas Pontes, mas é aí que Sou Eu em todos os sentidos, não é?

Não deve haver nada que faça de tão importante como ser eu própria uma Ponte.

P.S. Talvez seja por isso que gosto tanto de aviõezinhos de papel. 
Eles voam e podem levar mensagens escritas e desenhadas com eles. 

P.S. 2. Pronto, encontrei-me com um delírio e fiz uma ponte com o meu desenho. É isso mesmo que queria quando resolvi vir para aqui postar… Já cumpri o meu Sábado. :)

Anúncios

Uma semana na praia sem fazer NADA… e a engordar com bolas de berlim

 

A minha semana numa praia do Algarve descreve-se assim.

Praia, Algarve, Desenho, Aguarela, Rita Caré

 

Foi qualquer coisa parecida com esta imagem quase todos os dias. Fiquei a olhar para a multidão vestida com os seus coloridos fatos de banho, toalhas e chapéus-de-sol, ou a dormir na areia quente, ao som típico que conhecemos de uma praia Algarvia semi-cheia. Há mais de vinte anos que não experimentava nada no género, mas fiquei com a sensação de que para o ano estou lá outra vez, se puder, com o objectivo de não fazer rigorosamente NADA, para além do básico para sobreviver no dia-a-dia.

Felizmente tive a companhia da Alice, 4 anos e no Instagram @os4reismagos, que desenho nas minhas aguadas enriquecendo-as com obras abstractas maravilhosas (tenho inveja de tal representação de peixes…), usou as minhas aguarelas semi-profissionais e as encheram de grãos de areia, o que na verdade não quero nada saber, porque adoro que ela use os mesmos materiais que eu. Também brincámos com rabiscos sobre manchas de aguarela impressas e fizemos colagens (não apresentadas aqui) e sorrimos :)

 

Não digam a ninguém que abusei a sério nas Bolas de Berlim, que as há normais, com ou sem creme, com nutela, com chocolate e produzidas com farinha de alfarroba em vez da farinha tradicional de trigo. Entretanto, também ouvi falar de produção com algas azuis…

 

 

 

Do Janeiro Abraçado e morno

Em Janeiro de 2018, alguns Amigos andaram comigo quase ao colo, dada a minha falta de condição física, num dos mais dificeis momentos da Vida. E levaram-me a passear e a sentir que coisas “minúsculas”, como fazer um rabisco minimalista, apanhar sol e olhar uma Árvore, pode ser do melhor que temos para nos agarrarmos a Viver, um momento,  uma linha e um raio de sol de cada vez.

bugio_tejo_oeiras_portugal_janeiro2018

roupa-estendal-laranjeiras-benfica-lisboa-por-Rita-Care

A ÁRVORE nas Laranjeiras, Benfica

Biblioteca Viva sobre o Mar

No principio do ano passado, participei num encontro da Jaws que explorou o conceito de Biblioteca Viva, no Museu do Mar, em Cascais. Uma varina, um pescador, uma antropóloga, uma oceanágrafa e um surfista falaram sobre a sua experiência profissional. Criei cinco duplas páginas correspondentes a cada uma das testemunhas, mas partilho apenas estas, que foram as primeiras, porque não gosto das outras e não representam bem o momento, talvez porque já estava muito cansada. No final lanchámos todos e foi mesmo muito interessante conversarmos descontraidamente com a Varina e com o Pescador, com idade para serem meus avós.

Notem, por favor, que algumas das informações incluídas nos balões de fala podem não estar correctas. Tive essa sensação quando estava a escrevê-las lá ao vivo.

Podem saber mais no  link deste projecto e ver a reportagem fotográfica.

RitaCare_BibliotecaViva_MMar_Jaws,_Cascais2017 (1) _ 1200
A Varina

RitaCare_BibliotecaViva_MMar_Jaws,_Cascais2017 (2) _ 1200
O Pescador

RitaCare_BibliotecaViva_MMar_Jaws,_Cascais2017 (3) _ 1200
A Antropóloga e Directora do Museu do Mar

Foz do Arelho e Lagoa de Óbidos à vela…

 

Rita Care - Foz Arelho Set 2017 (4) red
Kitesurf, vela e windurf na Escola de Vela

 

 

Rita Care - Foz Arelho Set 2017 (3)
Na Escola de Vela

 

Gostava de ter desenhado e pintado muito mais durante as minhas férias na Foz do Arelho e nas Caldas da Rainha, neste Verão, mas passeei muito, tirei muitas fotografias nas Caldas e não fiz Nada. Fazer Nada também faz falta de vez em quando.

 

Rita Care - Foz Arelho Set 2017 (2) red
Aguada com vista da Foz do Arelho para o Bom Sucesso

 

 

Rita Care - Foz Arelho Set 2017 (1)
Vista da Foz do Arelho para o Bom Sucesso

 

 

Cais da Trafaria e uma reflexão sobre Urban Sketching

O Cais da Trafaria não é bem assim, como se vê na fotografia. Falta-lhe uns pedaços aqui e ali, mas quem conhece o local consegue reconhecê-lo. Para mim o Urban Sketching é cada vez menos representar fielmente o que observo. É mais usufruir do acto de desenhar e de pintar, representando o que sinto no contexto do desenho (nesta tarde, sentia-me uma garota “naïf” a brincar com a aguarela e os lápis-de-cor). Ser Urban Sketcher também é inventar um bocadinho para facilitar ou para ter esse espaço de transgressão em relação à realidade. É ainda explorar os lugares, representando-os com técnicas e materiais diferentes, numa incessante procura de soluções.

Rita Care - Trafaria - Ago 2017 (1) red

O momento desta dupla página e toda esta tarde tão bem passada são o que de melhor tem a comunidade de Urban Sketchers Portugueses: as pessoas. Desenhar é um veículo para atingir um fim com uma estranha dualidade. Por um lado, é desaparecer para dentro de mim numa partilha única de silêncios agradavelmente estranha. Por outro, é divertir-me, virando-me para fora num encontro colectivo de partilha com sorrisos e boa disposição.

 

Rita Care - Trafaria - Ago 2017 (2) red

Esta dupla página tem um aspecto de que não gosto: a mancha de aguarela no centro. Acontece quando existe o meio do caderno, mas principalmente quando se usa muita água e o papel não é o mais adequado para a técnica aplicada – uma aguada destas precisa de papel com qualidade e de 300g/m2. Assim, perdeu-se a continuidade, o fluxo, de uma página para a outra. Enfim… adoro experimentar tintas, pincéis e papéis… Se não experimentarmos não descobrimos o que nos faz falta e o que se adequa às nossas características e interesses. Sendo assim, querido papel Claire Fontaine 180g/m2 de faces diferentes, volta! Sinto-te a falta no contexto do diário gráfico.

Ser Urban Sketcher é ser curioso e ter um desejo incessante de conhecer os lugares de passagem e de evoluir, sempre de caderno na mão. É representar o mundo como o vemos e sentimos num momento – ou como gostaríamos de o ver e sentir – e não a realidade.

No mesmo dia em que escrevi este texto,
encontrei outro muito interessante
da Urban Sketcher Jane Wingfield:
Falling in love with the world, one sketch at a time

Este texto foi publicado no blog dos Urban Sketchers Portugal.

 

Praia da Poça, Estoril

Neste dia  fiz o desenho do Forte de São Pedro da Poça, na Praia da Poça que está lá em baixo, mas a perspectiva das escadas ficou uma bela treta e estraguei a composição do desenho, que teria ficado bem gira. Esta dupla página está muito simples, mas isto de desenhar os barquinhos lá ao longe nos mares de Cascais traz-me sempre uma estranha serenidade. Fiz assim as pazes com o rabisco do forte.

 

Rita Care - Praia Poca Estoril - Jul 2017 (1)
Praia da Poça, Estoril

 

Rita Care - Praia Poca Estorial - Jul 2017 (2)
Praia da Poça, Estoril

 

 

Forte da Praia da Poca Estoril - Jul 2017
Forte de São Pedro da Poça,  Praia da Poça, Estoril

 

 

Cascais vista da Praia do Tamariz

Num dos últimos encontros dos Foto&Sketchers 2 Linhas cheguei muito cansada à Praia do Tamariz, no Estoril, depois do trabalho e estive mais de uma hora na converseta e a bisbilhotar o que estavam os outros a fazer.

Depois de ver dois a rabiscar a vista para Cascais, não resisti…

Rita Care - Cascais vista da Praia do Tamariz - 1024
Baía de Cascais vista da Praia do Tamariz, no Estoril