Edifícios Abandonados no Arneiro

Desenho muito pouco nas redondezas do local que escolhi para habitar. Ainda não percebi completamente os motivos. Talvez um certo pudor. Há recantos muito interessantes aqui à volta, no meio de bairros típicos da “periferia” muito feios.

Estes edifícios andavam a “chamar-me” há anos. Descobri antes do Verão esta vista do lado de cá da auto-estrada, que não é o mais bonito. Em breve, quando o calor voltar, espero ir para o topo do hipermercado seu vizinho e desenhar desse lado, do qual se vê uma grande e bela chaminé. É mais um edifício ao abandono… Há tantos…

Rita Care_EdificiosAbandonados_Arneiro_Out2017 (2) - 1200Pintei em casa.

Rita Care_EdificiosAbandonados_Arneiro_Out2017 (1) _1200

 

Anúncios

Roseiral no Parque Marechal Carmona

Estas páginas foram criadas para preparar um workshop no Parque Marechal Carmona, em Cascais, que orientei em Setembro de 2017. Encontrei este roseiral, no qual nunca tinha  reparado, com umas rosas lindas!

Rita Care_ Roseiral_PMC_Set2017 (2) - 1200

Rita Care_ Roseiral_PMC_Set2017 (1)_1200_72São flores muito boas para praticar a técnica de desenho-cego. Os resultados dos meus formandos – que se meteram para dentro do roseiral e tudo! –  foram muito bons, o que os surpreendeu. Mas não a mim, que conheço bem das vantagens desta técnica maravilhosa para aprender a desenhar e para usar também todos os dias, sobretudo usando técnicas soltas de aguarela. Os rabiscos “cegos” são quase sempre um prazer.

 

Processo dos Rabiscos das galinhas charmosas do Parque Marechal Carmona

Nunca pensei dizer que galinhas são charmosas… acho-os uns animais com tal falta de pensamento…

Mas as galinhas do Parque Marechal Carmona, em Cascais, são muitas, os galos têm umas penas muito coloridas e em algumas épocas do ano encontram-se muitas galinhas com os seus muitos pintainhos atrás. Um charme, portanto!

Tenho imagens do processo de desenho dos bichos, porque os desenhei ao vivo a lápis. Só passado algum tempo passei a linha preta. E passado ainda mais tempo pintei com guache a versão adaptada do original. Não quis pintar no caderno!

 

5a de Rana muito torta

Aguardando a companhia dos “Tios” rabisquei a bela “paisagem” que se vê das mesas junto ao balcão do “5a de Rana”. Primeiro não gostei, mas depois de pintalgado com os guaches rascas, passei a gostar muito disto tudo torto.

Rita Care - Parque 5a Rana - Set2017_1000_72dpi

Como de costume o facto das linhas de perspectiva da sala não estarem bem, estragam-lhe um bocadinho o charme… Uma perspectiva incorrectamente representada pode estragar um desenho. Às vezes mais vale não incluir estas linhas.

Centro Cultural de Cascais e Casa das Histórias deformados com guache

Já andava há muito tempo a pensar que queria ir a Cascais deformar o Centro Cultural e a Casa das Histórias. Então, depois ter tido uma experiência diferente de urban sketching com guache, quando a Maru Godas esteve em Portugal, tive que ir a correr experimentar mais… Não é muito portátil… Isso é uma pena, porque gosto muito desta ideia de pintar em folhas coloridas e usar as cores opacas por cima umas das outras e de me sentir muito mais feliz do que quando tive que usar guaches nos tempos da escolinha.

Este foi um primeiro estudo das tintas e da forma do edíficio deformado à “la Lapin”.

Rita Care - Centro Cultural de Cascais - Jul 2017 (1) red
Centro Cultural de Cascais

 

Mais uma tentativa de deformar edíficios e experimentar o guache.

Rita Care - Centro Cultural de Cascais - Jul 2017 (2) red
Centro Cultural de Cascais e Casa das Histórias
Rita Care - Centro Cultural de Cascais - Jul 2017 (3) red
Centro Cultural de Cascais e Casa das Histórias

9 Set | Workshop – Afinal consigo desenhar e aguarelar!

9Set17 - ws-urbansketching-rita-care-papiro-papirus

 

WORKSHOP
Afinal consigo Desenhar e Aguarelar!
Introdução ao Urban Sketching

9 Setembro 2017 (Sábado)
Parque Marechal Carmona, Cascais

OBJECTIVOS
– Fornecer ferramentas para que os participantes adquiram bases para a prática de desenho urbano de observação à vista (conhecido por Urban Sketching) em diários gráficos, através de técnicas de desenho com linha e de técnicas de aguarela com pincel de reservatório.
– Motivar os participantes para actividades de Urban Sketching em grupo ou individualmente.

PROGRAMA DA MANHÃ – 10-13h
– Introdução ao Urban Sketching e à sua importância para a vida do dia-a-dia dos Urban Sketchers (exemplos de trabalhos próprios e de outros autores).
– Breve introdução à teoria da cor e experiências com aguarela.
– Introdução a técnicas de aguarela com pincel de reservatório.
– Introdução a técnicas de desenho de observação à vista com linha.
– Ao longo da sessão serão propostos vários desafios/exercícios a serem partilhados e debatidos entre a formadora e os participantes de forma construtiva.

ALMOÇO LIVRE

PROGRAMA DA TARDE – 14h00-18h00
– Exercícios de Urban Sketching propostos para explorar proporções, composição e mancha de aguarela de forma criativa.
– Os trabalhos serão partilhados e debatidos entre a formadora e os participantes de forma construtiva.

MATERIAIS OBRIGATÓRIOS
– Caneta preta impermeável à água. Por exemplo, canetas técnicas (0,3 ou 0,5) da Sakura, Uni Ball, Pentel ou outra marca, caneta (0,5) Roller Uni Ball Eye Micro (à venda nos grandes supermercados e papelarias) ou esferográfica BiC da gama Soft  (à venda nos supermercados e papelarias).
– Caixa portátil com pastilhas de aguarela (evitar aguarelas de gama infantil/escolar que têm pastilha redonda grande)
– Pincel de Reservatório de dimensão média. Por exemplo, da Pentel ou da Sakura

OFERTA DE CADERNO

MATERIAIS RECOMENDADOS:
– Banco tripé / portátil

IDADE
– Adultos e jovens a partir dos 12 anos

Nº MÁXIMO DE PARTICIPANTES:
8 pessoas

PREÇO E OUTRAS INFORMAÇÕES
Sob consulta – Envie-me um e-mail, por favor.

FORMADORA
Rita Caré
Projecto Papiro papirus – Rabiscos e Aguarelas
https://papiropapirus.wordpress.com
rita.s.care@gmail.com | +351 913 159 291

___

Exemplos de Urban Sketching com caneta e Aguarela

 

 

Cascais vista da Praia do Tamariz

Num dos últimos encontros dos Foto&Sketchers 2 Linhas cheguei muito cansada à Praia do Tamariz, no Estoril, depois do trabalho e estive mais de uma hora na converseta e a bisbilhotar o que estavam os outros a fazer.

Depois de ver dois a rabiscar a vista para Cascais, não resisti…

Rita Care - Cascais vista da Praia do Tamariz - 1024
Baía de Cascais vista da Praia do Tamariz, no Estoril

 

Crónica Desenhada | Conversas sobre Panfletária e Liberdade

Crónica Desenhada | Conversas sobre Panfletária e Liberdade por Rita Caré
Conversas sobre Panfletária e Liberdade por Rita Caré (clicar na imagem)

Crónica Desenhada
Conversas sobre Panfletária e Liberdade
| Publicado em XZibit Art |

No final de março, com a aproximação às celebrações do Dia Português da Liberdade, o 25 de abril, a proposta para Desenhar Conversas sobre “A Liberdade e a Arte Panfletária”  soava tentadora.

A Oficina do Desenho – Associação Cultural (OD), em Cascais, convidou Pedro Afonso e Alexandre Bordalo para falarem e refletirem sobre o tema e sobre o seu trabalho, em convívio com os presentes na sessão. Afonso é artista plástico e ilustrador. Bordalo é fotojornalista. As conversas foram moderadas por Rui Aço, artista plástico e Presidente da OD.

“A Liberdade nem sempre é veiculada pela Arte Panfletária!” avisava-nos o anúncio destas conversas. Tem sido usada como meio de comunicação para a denúncia, através da sátira e da ironia, mas também para manipular os povos através de propaganda política e religiosa.

Conversou-se sobre a liberdade, ou não, de expressão e sobre o papel mais ou menos relevante da Arte Panfletária na sociedade ao longo do tempo, desde o século XVIII, através de pintores, poetas, muralistas, arquitetos e outros artistas. Rui Aço lançou o tema através da abordagem à Fábula do Pássaro Bisnau e ao trabalho de diversos autores Portugueses e de outros países. Entre eles, Almada Negreiros, Delacroix, Siqueiros, Zeca Afonso, Ary dos Santos, Sartre, entre outros.

Os convidados e também o moderador têm grande e prolongada experiência profissional e de vida, o que ficou bem vincado pelas opiniões partilhadas e pelas histórias contadas. Pela noite dentro, cada um dos presentes bebeu chá e desenhou em toalhas de papel de mesa, o que lhe ia na alma, fosse abstrato ou realista, tivesse, ou não, a ver com o tema conversado. A Liberdade para Desenhar não tem limites.

“Conversas Desenhadas” é uma proposta bimensal da Oficina do Desenho – Associação Cultural, em Cascais. Aguardemos, pois, pela proposta com que nos brindará em maio de 2017.

Desenho e texto: Rita Caré

Crónica Desenhada com Jazz de John Coltrane

Crónica Desenhada com Jazz de John Coltrane
| Publicado em XZibit Art |

No mês de Março de 2017, a Oficina do Desenho (OD), em Cascais, organizou várias sessões para desenhar a música.

Às 18h daquela sexta-feira chuvosa, o ambiente era animado com alguns jovens a terminar os seus trabalhos artísticos. Os participantes da Oficina Livre do Laboratório Experimental foram chegando. A música que tocava mudou para o jazz do prometido John Coltrane. Ao longo de três horas ouviu-se, por várias vezes, a música “My Favorite Things”, tocada por Coltrane pela primeira vez em 1961.

Desassossegada ao fim de um dia de trabalho, sentei-me e rabisquei no meu caderno. Primeiro, o Miguel Teixeira (arquitecto, artista plástico e Vice-Presidente da Oficina do Desenho) a lavar materiais. Depois, uma das participantes que explorava lentamente as formas de uma folha amachucada. Inspirada pelo momento e pelo som do jazz, permiti-me descontrair e mergulhar finalmente para um lugar onde apenas o desenhar me leva. As minhas linhas dançaram e desapareci, na fuga dos dias, para dentro do papel durante as duas horas que se seguiram.

A Oficina do Desenho é uma associação cultural sem fins lucrativos, fundada em Cascais em 2003, que promove o ensino, a prática e a experimentação das artes visuais e em particular do desenho. As Oficinas Livres do Laboratório Experimental realizam-se às sextas-feiras, das 18h às 21h.

Desenho e texto: Rita Caré

FS 2´´ no Farol de Santa Marta, Cascais

Às vezes esqueço-me de publicar os desenhos que fiz no contexto de eventos em grupo… Mas que falta fazia neste blog os meus rabiscos do Farol de Santa Marta, em Cascais, que é um tema abundante por aqui, como se pode ver neste LINK.

Lá fomos em visita com os Foto&Sketchers 2 Linhas e com o apoio do Farol-Museu!

rita-care-farol-sta-marta-cascais-28jan2017-red
Farol-Museu de Santa Marta, Cascais
Saí de casa já com o diário carimbado para explorar depois o desenho no papel de um caderno oferecido pela Teresa Ogando, que tinha como destino ser uma agenda telefónica. Há muito tempo que não usava os carimbos e soube-me mesmo bem!
Já nesta dupla página em baixo explorei a composição de objectos relacionados e expostos no Farol Museu de Santa Marta.  Também não usava lápis-de-cera há muito, mas mesmo muito tempo!
rita-care-farol-sta-marta-cascais-28jan2017-red-2
Farol Museu de Santa Marta, Cascais
O Farol Museu de Santa Marta ofereceu-nos as entradas – um autocolante cor-de-rosa colado na mão deu acesso livre! – para visitarmos os seus espaços e também para espreitarmos a Casa de Santa Maria ali ao lado. Esqueci-me de desenhar um sorriso lá dentro…
Estarmos ali entre aqueles edifícios coloridos, com formas peculiares, faz-nos sentir como se estivéssemos dentro de um conto de fadas à beira-mar plantado.
As vistas do farol para a vizinhança podem ser vistas também nas minhas FOTOS.