Da Relevância e do Sentido de Viver: 10 Anos do Movimento dos Urban Sketchers

Rita Care _ FabricaPolvora_10anosUSk_11Nov2017 (2) _ 1200

O Movimento dos Urban Sketchers celebrou 10 anos no dia 11 de Novembro de 2017. Nesse dia, estava numa formação profissional na Fábrica da Pólvora de Barcarena. Alguns dias antes já sabia que desenho queria fazer para celebrar. Não é o desenho mais incrível que fiz, nem por isso, mas foi feito com o coração. Ao olhar para o desenho agora, gosto de pensar que ter pintado com os chamados “Lápis-de-cor Mágicos” não foi um acaso.

Rita Care _ FabricaPolvora_10anosUSk_11Nov2017 (1)_1200

Senti-me triste ao longo do dia, como se estivesse no local errado, por não ter a companhia de pelo menos outro Urban Sketcher comigo. Mas no final do dia rabisquei, sorri e partilhei, cumprindo dessa forma o que de mais importante me trouxeram os Urban Sketchers: mudei irremediavelmente, cresci, tenho-me divertido muito e tornei-me maior, muito maior do que eu própria.

Mari_11Nov2014_FabricaPao_10anosUSk (2)_1200

Em alguns momentos dos últimos anos, principalmente entre 2013 e 2017, quando organizei cerca de 80 encontros dos USkP e do grupo Foto&Sketchers 2 Linhas, quando colaborei, entre 2014 e 2016, com a coordenação dos Urban Sketchers Portugal na gestão de informação e criei o Facebook USkP, senti que o que vivia ia muito além de mim, cumprindo uma grande paixão, projectando o meu trabalho de voluntariado em muitas outras pessoas. Isso criou uma Relevância de Viver cheia de pequenos-gigantes Significados.

Às vezes penso neste tempo e receio nunca mais voltar a ter oportunidade de tocar em tantas outras vidas, mesmo de forma minúscula como fiz com tanta “Gente Gira” ao mesmo tempo e com tamanho impacto.

Pertencer a este Movimento, vivê-lo, testemunhá-lo tem sido das coisas mais importantes que alguma vez farei. As Amizades que construí ao longo dos anos, por causa destes desenhos tão especiais, é das maiores ofertas que a Vida me deu.

De vez em quando faço uma reflexão sobre porque é que Desenho e porque considero tão importante que todos Rabisquem. Podem ler as minhas reflexões ALI, com destaque  ACOLÁ para o desafio que a Liz Steel fez.

Rita Caré, 25 de Fevereiro de 2018

P.S. Este desenho está a ser publicado aqui tantos meses depois do 11 de Novembro de 2017, porque Viver às vezes é difícil, troca-nos as voltas e a motivação. Nas últimas semanas tenho andado a publicar desenhos de 2017 e até mesmo de anos anteriores. E muitos mais faltam ainda até conseguir publicar tudo o que tenho pendente. Tem sido uma viagem de reencontro comigo própria, com o que fui e que quero deixar para trás e na pessoa que quero ser no futuro sob o lema “a vida tem que ser mais lenta e leve”.

Anúncios

Miau… a lápis mágico

A Kaika é uma gata com uma personalidade interessante. Mas exterioriza características com as quais não me identifico para que um gato pudesse eventualmente a cohabitar comigo… Nah!

Gostei muito de usar o lápis mágico nestas páginas.

Miau…

Rita Care - Kaika, a Gata - 2017 red

Rabiscos para o almoço: Hambúrguer colorido

É uma oportunidade muito descansada já estar almoçada enquanto os outros almoçam, porque dá para pintalgar a comida alheia calmamente.

Acho que fiz estardalhaço a mais com os vegetais e as batatas fritas estavam mais amontoadas. É impressionante como só reparamos em alguns detalhes depois de se fotografar, digitalizar e/ou publicar as imagens.

Rita Care - Hamburguer, Cascais, Ago2017 red

 

Eléctricos amarelos e autocarros verdes

Não gosto especialmente dos meus desenhos do último encontro no Museu da Carris, nem sequer das fotos, que foram escassas. Mas adoro estes encontros em que não quero saber grande coisa de rabiscos e fotos, porque conversar e viver o ambiente é muito mais interessante. Foi dos encontros mais divertidos dos últimos tempos!

Aproveitei para desenhar as pessoas a desenharem :)

Rita Care - 5ago2017 Museu Carris (1) (1)

 

Rita Care - 5ago2017 Museu Carris (3)

 

Rita Care - 5ago2017 Museu Carris (4)

 

Quando agendei este 4º encontro estava convencida que iriam aparecer cinco ou seis “gatos pingados”… mas fomos 25! A visita é sempre muito agradável, porque os funcionários gostam muito de nos receber, sobretudo o Sr. Sérgio, condutor do eléctrico nº1 (no qual todos os visitantes andam) e que é um entusiasta. A Isa Silva fez um vídeo de uma das nossas viagens de retorno à entrada que espelha a nossa alegria!

Mais rabiscos e fotos estão ALI nos FS 2´´.

 

 

 

RTP a Preto & Branco – “Omo lava mais branco”

No Museu Natural da Electricidade, em Seia, está uma exposição sobre a RTP no tempo em que ainda era a preto e branco. As primeiras emissões a cores iniciaram-se em 1975.

Anthímio de Azevedo, um nome inesquecível para muitas gerações de espectadores, apresentava as previsões climáticas com ajuda de um quadro escrito com giz branco.

Os anúncios eram muito criativos e assertivos também. Transmitiam mensagens como: “Creme de Barbear Palmolive, o creme dos homens de sucesso” e “Planta é melhor em sabor, pureza absoluta… Planta é para as pessoas de bom gosto”, “Omo lava mais branco!” e outras pérolas…

rita-care-rtp-pb-mnelectricidade-out2016-72

Jantar e almoço do Adeus…

Os congressos científicos têm sempre um jantar de gala… quer dizer com os cientistas das coisas da agricultura e da biologia é mais um “farewell dinner” para promover o convívio, com muita gente vestida informalmente.

rita-care-miguel-no-jantar-ils2-2016

O Miguel foi tocar e cantar. Até pôs o pessoal a dançar no palco e pelo espaço todo. E cantou-se “We are the world”, o que foi muito adequado para o contexto de uma conferência com quase 400 pessoas, de mais de 40 países, a falarem sobre quase tudo o que há para falar sobre leguminosas, essas plantas fabulosas de diferentes pontos de vista (agrícola, económico, biológico, ambiental e para a saúde).

rita-care-marina-a-cantar-no-jantar-ils2-2016

A Marina, uma investigadora espanhola, cantou com o Miguel e no final tocou uma guitarrada fantástica!

rita-care-jantar-do-ils2-2016

No último dia ainda houve que dar apoio a reuniões, desmontar e meter todo o material nos carros. Depois houve piquenique à beira do Sado com vistas para Setúbal.

rita-care-setubal-de-troia-pic-nic-ils2-2016

Regressámos estoirados depois de 10 dias seguidos a trabalhar 12-14 horas/dia. Já hoje é quarta-feira e só penso que quero é dormir…

O papel kraft com lápis mágicos e brancos é tão giro, não é?

Farol de Santa Marta e Casa de Santa Maria

Noites de Verão deliciosas para rabiscos, em Cascais, sentada em qualquer chão para desanuviar a cabeça. Os temas do costume são muito bons para explorar abordagens fora da caixa, porque não me fazer saltar totalmente para fora da zona de conforto.

rita-care-cascais-30set2016-72

Do Adamastor para o Tejo

Sentei-me numa das esplanadas do Miradouro do Adamastor, em Lisboa, a beber uma limonada e a levar com uns esguichos de água para cima de mim e do caderno, cujas folhas nem tinham tempo de humedecer, tal era o calor.

Comecei por desenhar o guindaste do lado esquerdo, depois desenhei o cacilheiro, a Ponte 25 de Abril, a outra margem e o Cristo Rei. Quando dei por mim tinha o guindaste dentro de água, claro…

Lembrei-me logo daquela pergunta “retórica” típica destes momentos: “mas alguém estava lá contigo para ver”… se o guindaste lá estava?! ;-)

E o que é que isso interessa…? O Cacilheiro também não faz aquele percurso… Continuei por ali fora a desenhar um barco ali, outro acolá e por aí fora… Tem que ser rápido, porque eles passam depressa!

DoAdamastor-25Abril-Jul2016

Confesso que só uso lápis-de-cor “mágicos”, porque não me apetece carregar com a caixa dos 24. Os desenhos ganhariam muito se os usasse, mas tenho preguiça… E estes servem para o olho, sobretudo nestas folhas de papel escuro e bem acompanhados com um bom lápis de pastel branco.

Pessoas irrequietas…

Mesmo com este calor não há sossego para as conseguir desenhar. Até na relva não param quietas…

Desfile nas escadarias - Rita Care - 7-2016
Para cima e para baixo, sentadas a olhar o vazio, a ler… 

 

Desfile na relva - Rita Care - 7-2016
Na relva ninguém pára quieto, rebolam-se, levantam-se, deitam-se, levantam-se, vão-se embora, vêm outras… e os patos e as patas desinibidos em busca de petiscos nas sandálias alheias…