Deixarmos as páginas ensinarem-nos… a ESCREVER

Doug Neill - Who will teach me to write

ESCREVER é ao mesmo tempo o meu inferno e uma benção. A escrita vive em mim nessa dualidade, porque é tão difícil escrever bem e claramente, mas é lá que me reencontro, enfrento os meus demónios e me redescubro. Mesmo que quisesse deixar de escrever não seria possível. Se o fizesse estaria a abandonar-me.

A maior parte das pessoas que me conhecem acham que vivo dentro de desenhos, mas nenhuma imagem me representa melhor do que umas mãos frenéticas num teclado. Essa sou eu.

As letras são para uma reflexão cá dentro e o cumprimento da minha profissão. Os desenhos são para uma reflexão do mundo lá fora.

Estou a reaprender a escrever à mão para lá das teclas. Estou a aprender a desenhá-las, como se fossem qualquer objecto ou paisagm que me fascina… Está a ser um processo doloroso para a minha mão, os meus dedos, o meu braço, as minhas costas, o meu corpo, mas quero muito cumprir este propósito.

O Doug Neill do projecto “Verbal to Visual” é o meu mais recente guia dos rabiscos, que não são quaisquer desenhos. Não. Estes Rabiscos de Ideias são criados e ensinados para pensar, estruturar o pensamento e comunicar conceitos.

Por entre mais de 100 vídeos disponíveis no seu canal de You Tube, o Doug publicou recentemente este vídeo muito diferente, muito especial, que me guia uma e outra vez para a “coisa” dO ESCREVER.

Vejam, leiam e oiçam esta citação “Who Will Teach Me To Write?” do livro “The Writing Life” de Annie Dillard sobre como as páginas nos ensinam a escrever… se nós deixarmos…

Anúncios

«Arrumações» no Desafio nº 100 – Histórias com 77 Palavras

Este blog é cada vez mais a reunião de todas as minhas paixões e necessidades: a escrita, a fotografia e finalmente o desenho (imagine-se… de todos, o desenho vem em última prioridade…). Entretanto abri um acesso aos desafios “77 Palavras” da escritora Margarida Fonseca Santos (MFS) nos quais já participei: com textos no blog, textos lidos por ela na Rádio Sim e em breve também num livro e num jogo organizado pela escritora. Mas que tempos fantásticos de projectos concretizados! =)

Logo Histórias em 77 Palavras da Escritora Margarida Fonseca Santos

Há algum tempo que não participava no projecto  77 Palavras da MFS. Doía-me a ideia de o fazer, por questões extremamente pessoais do (des)Amor. Mas um 100 é para festejar!! Este Desafio nº 100 – «e foi por isso que me escrevi»  veio mesmo a calhar num dia em que pela minha contabilidade escrevi mais de 1800 palavras (depois de cortadas, recortadas, vistas, revistas, ordenadas, reordenadas e revistas novamente), tirei fotos (escolhi seis), fiz dois desenhos com colagens, um vídeo com chuva, respirei, senti-me feliz e chorei convulsivamente pelo alívio que é arrumar a vida de alguma forma, seja em palavras, em desenhos, fotos ou vídeos.

O desafio saiu assim:

ARRUMAÇÕES – Desesperadamente precisava de escrever tanto. A cabeça é sempre a mil. Muitas vezes fica baralhada e nem sempre consigo fazê-lo para me reconstruir. Acordei, dei por mim a escrever há já duas horas. Não conseguia parar… É um alívio sentir esta arrumação das emoções. À noite vou dormir em harmonia, silêncio interior e sorrir a pensar no belo e nas pessoas que estão comigo a construir as nossas Vidas… Arrumo-me e é por isso que me escrevo.
Rita Caré, 39 anos, Carcavelos
in  Desafio nº 100 – «e foi por isso que me escrevi»
Projecto 77 Palavras da escritora Margarida Fonseca Santos

Acho que 2015/2016 será o ano de reunir todos os feitos belos e estéticos em que me vi envolvida nos últimos anos e de me refazer com base neles! Que coisas incríveis me têm acontecido e que pessoas maravilhosas tenho conhecido nos últimos 12 anos!! A Margarida é uma delas! Que ser humano cheio de Força Interior!